Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PCP que ouvir ministro da Cultura por causa de vandalismo em Vale do Côa

MÁRIO CRUZ / Lusa

Os comunistas voltam a criticar a "criação de uma fundação pública de direito privado para a gestão do património do Côa" e lembram que já tinham alertado para os riscos do "subfinanciamento" na segurança e preservação do património

O PCP deu entrada de um requerimento de audição do ministro da Cultura, esta quinta-feira, a propósito do ato de vandalismo ao célebre "Homem de Piscos", uma das mais importantes figuras em Vale do Côa, cometido na semana passada.

"O grupo parlamentar do PCP tem vindo a denunciar em múltiplas ocasiões que o subfinanciamento do Côa colocava em questão o seu importante papel de serviço público e referiu precisamente os riscos que tal acarretava para a segurança e preservação de um património reconhecido pela UNESCO", lê-se no requerimento, assinado pelas deputada Diana Ferreira e Ana Mesquita.

Os comunistas voltam a criticar a "criação de uma fundação pública de direito privado para a gestão do património do Côa", a Fundação Côa Parque, considerando-a uma "opção com vista à desorçamentação dos custos de manutenção do museu e da conservação do património, situação que muito se agravou no último governo PSD/CDS".

No requerimento, o PCP diz querer também ouvir a comissão de trabalhadores da Fundação Côa Parque, bem como a Associação dos Arqueólogos Portugueses.

Um ato "inqualificável"

Na semana passada, foi desenhada uma bicicleta e outras inscrições por cima de uma das figuras mais icónicas do Vale do Côa. O ministro da Cultura Luís Filipe Castro Mendes considerou o ato como uma "situação preocupante", tendo já sido apresentada uma queixa-crime no Ministério Público.

A Fundação Côa Parque tinha denunciado um dia antes o "inqualificável" atentado contra uma das rochas do parque arqueológico, na qual está representada uma figura humana com mais de 10 mil anos. "Fomos surpreendidos com a descoberta de novíssimas gravações de uma bicicleta, um humano esquemático e a palavra 'BIK' diretamente sobre o conhecidíssimo conjunto de sobreposições incisas do setor esquerdo daquele painel, onde, como é universalmente sabido, está o famoso 'Homem de Piscos', a mais notável das representações antropomórficas paleolíticas identificadas no Vale do Côa", disse à Lusa o diretor do parque arqueológico, António Baptista.