Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

“Milhares de trabalhadores” do comércio e serviços aderiram à greve deste feriado

Sindicato dos trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços assinala que os trabalhadores estão hoje em luta no 1º de Maio contra a precariedade e pelo aumento dos salários, horários regulados, correção da injustiça nas carreiras profissionais dos operadores de armazém e negociação do contrato coletivo de trabalho

O sindicato dos trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços (CESP) afirmou que “milhares de trabalhadores” de lojas e armazéns do Lidl, Dia Minipreço, Continente, Pingo Doce e Armazéns Jerónimo Martins, Auchan/Jumbo aderiram à greve do feriado de hoje.

O CESP assinala que os trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços estão hoje em luta no 1º de Maio contra a precariedade e pelo aumento dos salários, horários regulados, correção da injustiça nas carreiras profissionais dos operadores de armazém e negociação do contrato coletivo de trabalho.

“Trabalhadores da Grande Distribuição, das IPSS (Instituições Particulares de Solidariedade Social) e Misericórdias e de muitas outras empresas do comércio e serviços aderiram à greve decretada pelo CESP para este dia 1.º de Maio”, refere o comunicado da Direção Nacional do CESP.

O sindicato refere, entre outros exemplos de adesão, que no armazém do Lidl Marateca, mais de 50 trabalhadores estão concentrados à porta e só entraram ao serviço trabalhadores de empresa de trabalho temporário, “curiosamente admitidos na última semana”.

No armazém do Lidl de Torres Novas, há também “uma grande concentração de trabalhadores à porta”, afirma o sindicato, especificando que “dos 92 escalados, apenas dez, e alguns com contrato temporário (também admitidos na semana passada), entraram ao serviço”.

O CESP destaca, também, a adesão de 100% na frente de Loja Jumbo de Setúbal, onde diz que estão “apenas três caixas e alguns balcões a funcionar com chefias” e “o diretor da loja está 'a tomar conta' das caixas Quick (adesão global na loja mais de 40%)”.

Já na Loja Jumbo de Alverca, avança que mais de 50% dos trabalhadores estão em greve e na Loja Continente da Arrábida (Porto) a adesão ronda os 30%. Por sua vez, o Dia/Minipreço tem “dezenas de lojas encerradas em todo o país e muitas outras com horário reduzido pela falta de trabalhadores”, relata o CESP.

Na Santa Casa da Misericórdia de Chaves, a adesão é muito elevada, sendo que os trabalhadores que estão ao serviço estão a prestar os cuidados indispensáveis aos utentes internados, diz o CESP.

Em dezenas de IPSS e Misericórdias, nos distritos de Braga, Santarém, Viana do Castelo, entre outros, o CESP diz que o cenário é parecido, havendo "grande adesão dos trabalhadores à greve pelo aumento dos salários e negociação das convenções coletivas de trabalho e pelo pagamento em dobro do trabalho normal prestado em dia feriado".

Em paralelo ao CESP, também o Sindicato dos Trabalhadores dos Serviços e Comércio (Sitese), filiado da UGT, marcou uma greve para o dia de hoje para os trabalhadores das empresas de distribuição, que querem gozar o feriado de 01 de Maio, melhores condições de trabalho, o fim da precariedade e o respeito pela negociação coletiva.

De acordo com um comunicado do sindicato, a paralisação marcada para o Dia do Trabalhador abrange os funcionários das empresas filiadas na Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED).

A Lusa tentou contactar o Sitese, mas tal ainda não foi possível até ao momento, e aguarda também um comentário da APED sobre esta greve.

  • Greve na SATA com adesão de 100%

    Tripulantes de cabine da SATA Internacional/Azores Airlines iniciaram hoje uma greve que se prolonga até terça-feira, em protesto contra o incumprimento de vários pontos do clausulado do acordo de empresa, assim como de alguns protocolos assinados

  • CGTP ameaça com greve geral se Governo não virar à esquerda

    António Costa tem de ser claro e escolher o caminho da esquerda, caso contrário a CGTS ameaça com um movimento de contestação geral dos trabalhadores. Uma greve geral? “Todas as hipóteses estão em cima da mesa, nenhuma é excluída”, responde Arménio Carlos