Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PCP quer renegociação da dívida e diz que propostas de BE e PS são insuficientes

Marcos Borga

Jerónimo de Sousa argumentou que o que é proposto pelo grupo de trabalho “não toca na questão dos montantes, deixa de fora aqueles que especulam com a dívida e corresponde a uma gestão corrente da dívida, aceitando os constrangimentos e as imposições da União Europeia”

O líder do PCP insistiu esta sexta-feira na necessidade de Portugal renegociar montantes, juros e prazos da dívida pública, considerando que as propostas de um relatório sobre a matéria são "micro soluções" insuficientes para resolver o problema.

"Essas micro soluções são insuficientes e é preciso dar passos adiante", afirmou aos jornalistas o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, durante uma visita à feira agropecuária Ovibeja, em Beja.

O relatório do grupo de trabalho apresenta uma proposta de reestruturação da dívida portuguesa em 31% para 91,7% do Produto Interno Bruto (PIB) e pede ao Governo "cenários concretos" de reestruturação para serem utilizados em discussões europeias.

Jerónimo de Sousa argumentou que o que é proposto pelo grupo de trabalho "não toca na questão dos montantes, deixa de fora aqueles que especulam com a dívida e corresponde a uma gestão corrente da dívida, aceitando os constrangimentos e as imposições da União Europeia".

"Não é isto que o país precisa. O país precisa de uma visão estrutural da reestruturação da dívida", contrapôs, lembrando que o PCP já propôs a criação de um grupo de trabalho sobre a dívida na Comissão de Orçamento e Finanças da Assembleia da República.

O objetivo do grupo de trabalho proposto pelo PCP, assinalou, passa por tentar perceber como o país chegou a esta situação e pensar "num processo de renegociação dos montantes, juros e prazos" para permitir "libertar as verbas necessárias para o crescimento e desenvolvimento".

"Se queremos uma solução duradoura e que corresponda ao interesse nacional, precisamos da renegociação, com enfrentamento", realçou o líder comunista, referindo que Portugal, mesmo numa posição de devedor, tem direitos.

Jerónimo de Sousa disse esperar que, apesar de as propostas do grupo de trabalho do Bloco de Esquerda e do PS serem insuficientes, "ninguém arrume a viola no saco", alegando que o problema da dívida é "uma coisa muito séria".

"Podemos assobiar para o lado e sentimo-nos satisfeitos com posições minimalistas, mas, para um país que precisa de crescer e de se desenvolver, ter este serviço da dívida e este montante da dívida e encontrar pequenas melhorias não é isto que precisa", advertiu.

Questionado pelos jornalistas sobre a descida da taxa de desemprego divulgada esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o líder do PCP atribuiu-a ao atual "ambiente" económico, que "permitiu o crescimento e a criação de emprego".

"Bastou a melhoria das condições de vida e a devolução de rendimentos e direitos para se verificar essa melhoria. Isso resulta, de facto, do aumento do consumo, de as pessoas não acordarem com a preocupação de, na semana seguinte, verem o seu salário cortado, a sua reforma mais reduzida", disse.

Mas, continuou Jerónimo de Sousa, que "ninguém se sinta satisfeito" com estes números, porque subsiste "uma preocupação".

Portugal, frisou, é um país com "dezenas de milhares de desempregados", às quais se têm de acrescentar "centenas de milhares de trabalhadores com vínculo precário", pelo que o desemprego "é um problema sério".

  • Como reduzir a dívida em €72 mil milhões sem a cortar?

    Relatório do Grupo de Trabalho sobre a Sustentabilidade da Dívida Externa, composto por economistas e deputados do PS e Bloco de Esquerda, defende uma negociação com as instituições europeias para rever as condições dos empréstimos dos fundos de resgate. As alterações propostas, nomeadamente a extensão dos prazos por 45 anos, vão ajudar a eliminar dívida sem haver um corte no valor nominal