Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PR condecora “com emoção” Sá Carneiro, Ferreira Gomes e Siza Vieira 

NUNO FOX

“Através das condecorações que hoje lhes atribui, o Presidente da República recorda a contribuição que tiveram e deram ao nosso país", disse Marcelo Rebelo de Sousa, na cerimónia que decorreu no Palácio de Belém

O Presidente da República condecorou esta terça-feira "com emoção", a título póstumo, o antigo primeiro-ministro Francisco Sá Carneiro e o antigo bispo do Porto António Ferreira Gomes, na mesma ocasião em que agraciou o arquiteto Siza Vieira.

Numa cerimónia curta, de menos de 15 minutos, Marcelo Rebelo de Sousa recordou a relação entre Sá Carneiro, agraciado hoje com a Grã-cruz da Ordem do Infante D. Henrique, e António Ferreira Gomes, a quem foi atribuída a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada.

"É, pois, com emoção que recordo estas duas figuras e a ligação que existiu entre elas, neste aniversário do 25 de Abril. Através das condecorações que hoje lhes atribui, o Presidente da República recorda a contribuição que tiveram e deram ao nosso país", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, na cerimónia que decorreu na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém.

Sobre Siza Vieira, distinguido com a Grã Cruz da Ordem da Instrução Pública, o chefe de Estado disse que condecorá-lo hoje "é também festejar o 25 de Abril, no que ele representa de cultura democrática, liberdade de criação, inovação e realização".

"É agraciar um génio multifacetado: de criação mas também de pedagogia, de inventiva mas de serviço de comunidade, de afirmação pessoal mas também militância cívica", destacou Marcelo Rebelo de Sousa, agradecendo a Álvaro Siza Vieira por todos os dias fazer as pessoas acreditarem "um pouco mais em Portugal".

A condecoração a Francisco Sá Carneiro foi recebida pelo seu filho, com o mesmo nome, e na presença das vice-presidentes do PSD Teresa Leal Coelho e Teresa Morais, do secretário-geral Matos Rosa e de vários deputados sociais-democratas.

O Presidente da República recordou a "tentativa infrutífera" do antigo primeiro-ministro de reformar o regime por dentro e a forma como, na diocese do Porto, "viveu intensamente" os princípios corporizados pelo seu bispo, precisamente António Ferreira Gomes.

"Apoiante e protagonista cimeiro da revolução democrática desde antes da primeira hora, deu literalmente a sua vida a Portugal e aos portugueses, contribuindo decisivamente para solidificação do regime democrática, assegurando o pluralismo e alternância do poder e deixando-nos um dos maiores partidos portugueses", afirmou, referindo-se ao PPD/PSD.

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou também a nova relação que Sá Carneiro trouxe com os Estados de expressão portuguesa, salientando que a sua carta a Samora Machel "abriu um novo ciclo na história de Portugal".

A Ordem do Infante D. Henrique destina-se a distinguir quem prestou serviços relevantes a Portugal, no país e no estrangeiro, assim como serviços na expansão da cultura portuguesa ou para conhecimento de Portugal, da sua História e dos seus valores.

O Presidente da República justificou a condecoração póstuma a António Ferreira Gomes considerando-o "um percursor do que representou o 25 de Abril".

"Foi há 45 anos que, regressado a Portugal pela mão de Francisco Sá Carneiro [depois de um exílio em Espanha por contestar o regime de Salazar], pronunciou a sua célebre homilia da paz, em que abordou a temática da teologia da guerra, alimentando uma análise que viria a contribuir decisivamente para a Revolução dos Cravos", defendeu.

Entre o discurso com que encerrou a sessão solene do 25 de Abril na Assembleia da República, ao final da manhã, e a breve cerimónia de condecorações, o chefe de Estado passou mais de uma hora a passear pelos jardins de Belém, hoje abertos ao público.

Como habitualmente, foram muitos os portugueses, crianças e adultos, a quererem tirar uma fotografia com o Presidente da República e aos mais tímidos era mesmo o chefe de Estado que lançava o desafio: "Queres uma foto?".

Um casal que aproveitou o feriado para visitar o Palácio de Belém pediu a Marcelo "que continue assim e não mude".

"Perto dos 70 já não se muda", respondeu o chefe de Estado, que lhes atribuiu "os número 399 e 400" nas fotos tiradas só hoje.