Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Cristas deu ordem para calar ataques à direita

Alberto Frias

Os centristas não vão alimentar mais críticas aos antigos parceiros do Governo

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Jornalista da secção Política

O partido de Assunção Cristas está a preparar-se para um clima de alguma tensão com o PSD até às autárquicas. Mas as orientações do Largo do Caldas são claras: guerras com o antigo parceiro de coligação, mesmo que em mero contexto local, são para evitar.

É inegável que o desfecho do processo pré-eleitoral em Lisboa, que terminou com os sociais-democratas a optarem por uma candidatura própria quando durante algum tempo houve a expectativa de que talvez pudessem vir a aliar-se ao CDS, fez mossa na relação entre os dois partidos. E no CDS não passou despercebida a notícia do Expresso da semana passada, segundo a qual Passos não fecha a porta a um entendimento pré-eleitoral com o CDS, apesar de entender que o avanço de Cristas em Lisboa não ajuda à estratégia.

Os centristas dizem ter percebido a mensagem: como as coisas não vão correr bem ao PSD em Lisboa (e a hipótese, ainda que aritmeticamente inconcebível, de o CDS ficar à frente do PSD, está a ser levada a sério), Passos estaria antecipadamente a passar as culpas para Cristas. Mas esta não está disponível para contra-argumentar. Convicta, dizem responsáveis centristas ao Expresso, de que vai ter “um grande resultado” em Lisboa e um bom resultado para o partido em todo o país, Cristas quer manter intacto todo o espaço de manobra para negociar com o PSD (antes ou depois de eleições, logo se vê).

‘Críticos’ de Cristas 
reuniram ao jantar

Entretanto, um ano depois do congresso que elegeu Cristas e já a marcar terreno o day after das autárquicas de outubro, cerca de 150 promotores e subscritores da moção “Juntos pelo Futuro”, o mais parecido que há com uma oposição interna (que conquistou 16 lugares no Conselho Nacional do partido), reuniram-se ao jantar na sexta-feira da semana passada. Filipe Lobo D’Ávila, primeiro subscritor da moção, interveio para assinalar que este é um “projeto político” com ”futuro e consequência”.