Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Demissão de Dijsselbloem pedida de novo

José Carlos Carvalho

Maria João Rodrigues, eurodeputada e vice-presidente do grupo parlamentar Socialistas e Democratas, pediu no Parlamento a demissão do presidente do Eurogrupo

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

A eurodeputada socialista e vice-presidente do grupo dos Socialistas e Democratas Maria João Rodrigues voltou esta terça-feira a pedir a demissão do presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem.

Numa intervenção depois de ser conhecida a carta de resposta ao Parlamento Europeu do ministro das Finanaças holandês, a eurodeputada disse que "a linguagem ofensiva do Sr. Dijsselbloem mostra que ele não está à altura do cargo" e que as suas palavras não só "refletem a narrativa errada sobre as causas da crise do euro, alimentada pelo neoliberalismo dominante nas instituições europeias", como resfletem uma solução errada para a resolver.

Dijsselbloem, que foi convidado, pela segunda vez, a deslocar-se ao PE para falar com os deputados, nomeadamente sobre o a situação na Grécia, recusou-se novamente a fazê-lo. Em vez disso, enviou uma carta onde insiste que as suas declarações sobre "copos e mulheres" foram ditas relativamente à “importância da solidariedade e reciprocidade dentro da União Europeia”.

Maria João Rodrigues disse ainda que alguns Estados-membros foram muito atingidos pela crise, "não pela razão simplista de indisciplina orçamental e económica, mas sobretudo porque foram expostos à violência da crise financeira sem que a União Económico-Monetária estivesse preparada para os defender".