Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Parlamento Europeu volta a atacar Dijsselbloem

reuters

Presidente do Parlamento Europeu criticou duramente a ausência de Jeroen Dijsselbloem em vários debates

Antonio Tajani anunciou esta segunda-feira que vai enviar uma carta formal de protesto ao presidente do Eurogrupo, manifestando a “condenação unânime” do Parlamento Europeu à falta de comparência em debates.

“O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, declinou mais uma vez o nosso convite para participar num debate em plenário sobre a Grécia”, declarou o presidente do Parlamento Europeu na abertura da sessão plenária em Estrasburgo.

Embora o líder do Eurogrupo não seja obrigado a estar presente em debates no Parlamento Europeu, Tajani defendeu que seria importante Dijsselbloem comparecer em sessões plenárias, sobretudo numa altura em que são pedidos “sacrifícios” aos cidadãos europeus.

Eurodeputados dos vários grupos políticos também voltaram criticar a postura de Dijsselbloem e apelaram à sua demissão, depois de o líder do Eurogrupo ter afirmado em entrevista ao jornal alemão “Frankfurter Allgemeine Zeitung” que os países do sul gastaram “em copos e mulheres e depois pedirem ajuda”.

Na semana passada, os grupos parlamentares do Partido Socialista Europeu (PSE) e do Partido Popular Europeu (PPE) pediram oficialmente a demissão do holandês da liderança do fórum de ministros das Finanças da zona euro e exigiram um pedido de desculpas.

Também o Governo português, através do ministro dos Negócios Estrangeiros e do primeiro-ministro, apelou à demissão de Dijsselbloem. Marcelo Rebelo de Sousa disse concordar com a posição manifestada pelo executivo de António Costa.