Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Silva Peneda volta ao Conselho Económico e Social como conselheiro

Nuno Fox

O antigo presidente do Conselho Económico e Social (CES) é um dos cinco nomes propostos enquanto “personalidade de reconhecido mérito”

O antigo presidente do CES Silva Peneda deverá voltar na segunda-feira à entidade, desta vez como conselheiro convidado, juntamente com Manuela Ferreira Leite, Ricardo Paes Mamede, Teresa Mendes e Francisca Guedes de Oliveira.

Os cinco nomes propostos enquanto “personalidades de reconhecido mérito” serão votados pelo Plenário do CES, que se reúne na segunda-feira, na Assembleia da República, para dar posse aos novos membros e votar os vice-presidentes.

O economista José Albino Silva Peneda, que já foi deputado nacional e europeu e ministro do Emprego, foi presidente do CES entre 2009 e 2015, funções que abandonou antes do final de mandato para ser Conselheiro Principal do Presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker.

Manuela Ferreira Leite, que foi deputada e ministra da Educação e das Finanças, é atualmente presidente do Conselho de Orientação Estratégica da Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais da Universidade Católica Portuguesa e membro do Conselho Superior da mesma Universidade.

Francisca Guedes de Oliveira é professora auxiliar na Católica Porto Business School da Universidade Católica Portuguesa, especializada em Economia Pública, e é membro não executivo do Conselho de Administração da EDP Renováveis.

O economista Ricardo Paes Mamede é professor universitário, tal como a catedrática Teresa Mendes, ligada à engenharia informática.

O plenário do CES deverá eleger para vice-presidentes os conselheiros Adriano Pimpão, Alberto Castro, Carlos Silva e João Vieira Lopes.

Serão ainda eleitos os conselheiros que vão integrar as Comissões Especializadas Permanentes do CES.

Para a reunião de segunda-feira está ainda agendada a apreciação dos recursos apresentados pela Confederação dos Serviços de Portugal, a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário e Confederação Portuguesa de Micro, Pequenas e Médias Empresas, a quem foi negado o pedido de entrada para o CES.

O plenário terá ainda de debater e aprovar o Relatório de Atividades do CES relativo a 2016.

Este órgão do CES é composto por 58 elementos que representam as confederações patronais e sindicais, o setor cooperativo, as profissões liberais, a ciência e tecnologia e autarquias, entre outras entidades.

A vaga para o turismo não foi ocupada por falta de candidaturas, assim como a destinada ao setor segurador.