Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Jornalistas da RTP pedem demissão de Estrela Serrano do Conselho de Opinião (correção)

A antiga jornalista criticou equipa da RTP que se deslocou a escola onde aluno de 9 anos terá sido agredido sexualmente por outro aluno

Cerca de cem jornalistas da RTP pediram hoje a demissão de Estrela Serrano, membro do Conselho de Opinião da televisão pública, por considerar que a antiga jornalista emitiu publicamente “informações falsas”.

“Estrela Serrano não tem qualquer condição para se manter, digna e coerentemente, membro do Conselho de Opinião da RTP”, refere o abaixo-assinado, no qual é também pedida "a demissão”.

Em causa está uma opinião pública divulgada pela antiga jornalista no seu blogue 'Vai e Vem', depois de uma equipa da RTP ter sido agredida numa escola em Lisboa, enquanto fazia uma reportagem sobre alegadas agressões sexuais perpetradas por um aluno de 12 anos a outro de nove anos.

Estrela Serrano questiona as razões pelas quais uma equipa de reportagem da RTP se deslocou com “uma câmara à escola onde uma criança de 12 anos agrediu alegadamente outra de nove e filmar agredidos e agressores”.

Para Estrela Serrano, “tratando-se de assunto tão grave e delicado, como a agressão sexual envolvendo crianças, a recolha de imagens era absolutamente interdita”.

“A lei de proteção de menores proíbe a exibição de imagens de vítimas de agressões sexuais e a RTP não desconhece as restrições importas em situações envolvendo menores”, sublinha Estrela Serrano.

No abaixo-assinado, os jornalistas sublinham que as “opiniões formam-se na consistência de um pressuposto básico do jornalismo: estar na posse de toda a informação”.

“Foi isso, que fizeram a jornalista e o repórter de imagem quando se deslocaram à escola onde terão ocorrido os alegados abusos sexuais. Não foi o que fez Estrela Serrano ao publicar um texto ofensivo, insultuoso e que manifesta total descrença nas capacidades intelectuais, éticas e deontológicas dos profissionais de informação da RTP”, salienta o documento.

O documento lembra que o assunto não estaria envolto em polémica “não fosse Estrela Serrano membro do Conselho de Opinião da RTP". O documento acrescenta que Estrela Serrano é remunerada nestas suas funções, o que a própria desmentiu em mensagem enviada ao Expresso.

“Por isso, seria de esperar, dados os anos de jornalismo que a idade lhe contempla, que Estrela Serrano soubesse que os jornalistas da RTP são formados na área, conhecedores da prática ética, deontológica e do direito da comunicação. Aliás, muito nos espanta que Estrela Serrano, docente de Jornalismo, não tenha disso conhecimento”, refere.

O abaixo-assinado explica também que a “RTP existe há 60 anos” e “respeita as diretrizes e direitos da lei de proteção dos menores”.

“Estrela Serrano parece desatualizada, também, nas práticas tecnológicas: as imagens desfocam-se, as vozes distorcem-se, os nomes ocultam-se. Mas nunca, em tempo algum, reforçamos, nunca, em tempo algum, foi pensada qualquer entrevista ao menor que, por sinal, não se encontrava no local”, acrescenta o documento.

Nota: a notícia original da Lusa chamava ao abaixo-assinado de cerca de cem jornalistas um comunicado do Conselho de Redação, o que posteriormente o Expresso verificou não ser verdadeiro. A notícia foi retificada pelo Expresso, retirando esse erro da Lusa. A notícia original dizia também que Estrela Serrano auferia remuneração no Conselho de Opinião da RTP, o que a própria negou ao Expresso.