Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Oficial. PPE pede demissão de Dijsselbloem

Getty

O Partido Popular Europeu enviou esta terça-feira uma carta ao presidente do Eurogrupo, na qual é solicitada a sua demissão e um pedido formal de desculpas

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

O grupo parlamentar do Partido Popular Europeu pediu oficialmente a demissão do holandês Jeroem Dijsselbloem de presidente do Eurogrupo, bem como um pedido formal de desculpas na sequência das declarações feitas na semana passada sobre os países do sul gastarem "em copos e mulheres e depois pedirem ajuda".

A iniciativa da carta partiu do vice-presidente do PPE, o espanhol Esteban Gonzalez Pons, e foi subscrito por todos os deputados do grupo europeu do PSD e por um vasto grupo de deputados de várias delegações. O português Paulo Rangel é dos primeiros subscritores da carta, que foi enviada esta terça-feira a Dijsselbloem.

Numa cerimónia realizada esta manhã no Parlamento Europeu em Bruxelas o presidente do grupo parlamentar, o alemão da CSU Manfred Weber, fez questão de registar o momento da assinatura.

“Não pode haver contemplações”, diz Rangel

Em Malta, onde está a participar no Congresso do PPE, Paulo Rangel afirmou que "esta posição conjunta tem uma relevância política que só pode ter como consequência um pedido de formal de desculpas e a apresentação da demissão do presidente do Eurogrupo. Perante a gravidade das declarações de carácter ofensivo e discriminatório, não pode haver contemplações.”

"Logo depois da publicação das suas declarações, [Dijsselbloem] teve a oportunidade de as retificar perante o Parlamento Europeu, mas não o fez", lê-se na carta. " Pelo contrário, em vez de pedir desculpa, disse que o problema foi nós não termos percebido o estilo direto do discurso conhecido como cultura calvinista. Na nossa opinião, a cultura calvinista não tem nada a ver com o desprezo pelos outros povos".

Mais adiante, a missiva acrescenta que as declarações de Dijssoelbloem "atacam um dos mais importante valores que sustentam a nossa União Europeia: a igualdade (...) Respeitar esses valores devia ser a primeira obrigação de qualquer líder europeu".

O PPE junta-se assim ao grupo dos socialistas europeus a pedir a demissão e desculpas ao presidente do Eurogrupo. Na semana passada, confrontado com as acusações que surgiram de vários quadrantes, Dijsselbloem recusou demitir-se.