Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Rajoy diz que ministro da Economia espanhol seria um bom líder do Eurogrupo

JULIEN WARNAND / EPA

O primeiro-ministro espanhol foi questionado por alguns jornalistas no seguimento da polémica que envolve o atual presidente do Europgrupo, Jeroen Dijsselbloem, que a semana disse que os países do sul tinham gasto o dinheiro “em copos e mulheres”

O ministro da Economia espanhol seria um bom líder do Eurogrupo, disse este domingo o primeiro-ministro de Espanha, Mariano Rajoy, num momento em que várias vozes europeias pedem a demissão do atual presidente daquela organização, o holandês Jeroen Dijsselbloem.

Dijsselbloem, cujo mandato no Eurogrupo acaba em janeiro de 2018, está no centro de uma polémica desde que disse numa entrevista a um diário alemão que os países do sul da Europa tinham desperdiçado o seu dinheiro “em copos e mulheres”. Apesar de ter dito primeiro que não pediria desculpa pelo que disse, uns dias mais tarde lamentou que as suas declarações tenham ofendido e desculpou-se com “a cultura de rigor holandesa, a cultura Calvinista”.

As reações foram imediatas e fortes. Os chefes dos governos de Portugal e Itália pediram a demissão de Dijsselbloem, já enfraquecido pela derrota da sua força política, o Partido Trabalhista, nas eleições de 15 de março na Holanda. Mas, no mesmo dia que pediu desculpa, Dijsselbloem descartou qualquer pedido de demissão.

Questionado por vários jornais, incluindo o diário espanhol El Pais, se o líder do Eurogrupo (grupo que integra os 19 Estados-membros da zona Euro) poderia ser espanhol, Mariano Rajoy manifestou o seu apoio ao atual ministro da Economia, Luis de Guindos. “O que posso dizer? Certamente, o ministro da Economia espanhol, se me perguntar, é uma das personalidades mais importantes e competentes do Eurogrupo", declarou o primeiro-ministro espanhol.

Luis de Guindos, atual ministro da Economia e da Competitividade (que também tutela a Indústria, Energia e Turismo), integra o Governo de centro-direita de Rajoy desde 2012. Perante a crise financeira na zona Euro e os seus efeitos em Espanha, o ministro Luis de Guindos impôs cortes dramáticos na despesa espanhola para reduzir o défice público e supervisionou a aplicação do plano de resgate europeu do setor bancário.

Além disso, foi de Guindos foi o principal nome mencionado para substituir Dijsselbloem no Eurogrupo quando o político holandês estava na reta final do seu primeiro mandato, em 2015. Na altura, Dijsselbloem conseguiu reunir os apoios necessários para manter a presidência.