Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Marcelo homenageia em Bruxelas vítimas dos atentados

Presidente da República depositou esta manhã uma coroa de flores em Bruxelas, no monumento que homenageia as vítimas dos atentados de há um ano na capital belga. “Em termos de fraternidade europeia e universal, nunca os esqueceremos”, declarou Marcelo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, depositou esta quarta-feira uma coroa de flores no monumento que homenageia "os nossos irmãos" vítimas dos atentados de há um ano, em Bruxelas, tendo sido o primeiro estadista estrangeiro a fazê-lo.

Após ter colocado a coroa de flores no monumento – que tinha sido inaugurado horas antes –, o Presidente da República salientou, em declarações aos jornalistas, que "não houve vítimas portuguesas, mas é como se tivesse havido portuguesas e portugueses mortos e feridos porque aqueles de inúmeros países que foram vítimas eram e são nossos irmãos".

"Em termos de fraternidade europeia e universal, nunca os esqueceremos", adiantou Marcelo Rebelo de Sousa, evocando as vítimas "de atentados contra a liberdade, a paz, a democracia, a fraternidade, na Europa como no mundo".

O chefe de Estado lembrou ainda que "a Europa fez-se, as Comunidades Europeias fizeram-se, a União Europeia fez-se para construir a paz, a paz na Europa, a paz no mundo e essa é a mensagem virada para o futuro, não é apenas homenagear aqueles que partiram, mas é comprometermo-nos a lutar pela paz no futuro da Europa e do mundo".

A visita de Marcelo Rebelo de Sousa a Bruxelas iniciou-se com um encontro com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.
Após a homenagem às vítimas dos atentados, o Presidente será recebido pelo Rei Filipe dos Belgas, a quem irá transmitir que "não foi por acaso" que escolheu este dia para estar em Bruxelas.

"Acompanhamos aquilo que é a dor de todos os nossos irmãos belgas e de muitos outros, de muitas outras nacionalidades, que aqui morreram ou foram feridos", disse.

Os atentados, cometidos no aeroporto internacional de Bruxelas e na estação de metro de Maelbeek, e reivindicados pelo autoproclamado Estado Islâmico, foram os mais graves de sempre em território belga, tendo causado 32 mortos e cerca de duas centenas de feridos.

Desde que iniciou o seu mandato, em 09 de março do ano passado, esta é a 22.ª deslocação ao estrangeiro de Marcelo Rebelo de Sousa, tendo uma das primeiras sido uma visita ao Parlamento Europeu em Estrasburgo, França, em abril de 2016.