Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Marcelo: PR “não pode ter estados de alma” sobre processos e decisões concretas da Justiça

Jose Carlos Carvalho

Os jornalistas questionaram Marcelo Rebelo de Sousa sobre a decisão da Procuradora-Geral da República em prolongar o prazo da investigação do caso que envolve José Sócrates

Lusa

Lusa

Texto

José Carlos Carvalho

José Carlos Carvalho

Fotos

Fotojornalista

Marcelo Rebelo de Sousa recusou esta sexta-feira comentar o prolongamento do prazo de conclusão do inquérito da "Operação Marquês", afirmando que o Presidente da República "não pode ter estados de alma" sobre processos e decisões concretas da Justiça.

"O Presidente da República não tem de ficar surpreendido ou não ficar, relativamente a processos concretos. Não pode ter estados de alma em relação a decisões concretas da justiça", declarou o chefe de Estado, em resposta aos jornalistas, no final de uma visita de perto de quatro horas à Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL).

Os jornalistas tinham questionado Marcelo Rebelo de Sousa sobre a decisão da Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, de prolongar até final de junho o prazo da investigação do caso que envolve o antigo primeiro-ministro José Sócrates, a pedido dos procuradores do processo.

"Não tenho comentários a fazer sobre uma decisão concreta, um processo concreto e um juízo concreto da senhora Procuradora-Geral da República", respondeu o Presidente da República, reiterando que não se pronuncia "sobre casos concretos e processos concretos".

"Como sabem, é um processo concreto, houve uma decisão concreta da senhora procuradora-geral da República. E o Presidente da República não se pronuncia sobre isso", reforçou.

Marcelo Rebelo de Sousa passou perto de quatro horas na BTL, ocupadas, sobretudo, a tirar fotografias, quase incessantemente, com expositores e visitantes, e considerou que "é impressionante o panorama desta 29.ª edição, que ultrapassa todas as anteriores".

Segundo o Presidente da República, "o panorama do turismo português é imparável neste momento" e funciona como "motor" da economia, fundamental para se alcançar "o tal crescimento acima de 2%".