Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Revelação. F-16 intercetaram mais de 20 aviões suspeitos em 2016

Dos 30 caças F-16 operados pela Força Aérea, dois estão 24 horas por dia, 365 dias por ano, prontos a descolar em missões de defesa do espaço aéreo português ou sob jurisdição portuguesa

António Pedro Santos / Lusa

É uma faceta menos visível a que a Força Aérea deu agora um número. Durante o ano passado, por 21 vezes, parelhas de F-16 defenderam o espaço aéreo sob jurisdição nacional descolando ao encontro de aeronaves suspeitas

Carlos Abreu

Jornalista

Os F-16 da Força Aérea Portuguesa (FAP) descolaram, durante ao ano passado, por 21 vezes ao encontro de aeronaves que tiveram de ser identificadas e reconhecidas quando sobrevoavam espaço aéreo sob jurisdição nacional. Este número, jamais revelado pela FAP, por exemplo nos relatórios de gestão que publica todos os anos, foi avançado esta manhã durante a visita do Presidente da República ao Comando Aéreo, localizado no alto de Monsanto, junto a Lisboa.

Durante a apresentação a cargo do diretor de operações aéreas, brigadeiro-general Paulo Mateus, que decorreu no centro de operações do único bunker existente em Portugal, não foram revelados mais detalhes sobre este tipo de missões, tendo sido apenas referida, a título de exemplo, a interceção de aeronaves russas.

Durante o ano passado, essas foram as únicas missões reais deste tipo a serem divulgadas pela imprensa, em meados de novembro, e confirmadas a posteriori pela Força Aérea. “É um procedimento comum”, disse na altura à Lusa o então porta-voz da FAP, coronel Rui Roque. “O facto de irmos ter com eles e de os acompanharmos não está relacionado com qualquer ameaça militar, mas sim com o facto de Portugal ter de garantir a segurança do tráfego aéreo civil”, acrescentou a mesma fonte.

Esta manhã, o brigadeiro-general Paulo Mateus voltou a sublinhar que “essas aeronaves russas não estavam a fazer nada de ilegal, mas era muito perigoso”. Porquê? “Porque ao não poderem ser identificadas pela aviação civil, mas apenas pelos militares, têm de ser intercetadas, para se saber o que ali está e a partir do momento em que as intercetamos, como constituem um perigo, criamos uma ‘bolha’ que é visível pelos radares civis, que assim já os podem acompanhar”.

E tem sido sempre assim nos últimos anos. Os bombardeiros russos cruzam os céus com os aparelhos que permitem a sua localização em tempo real por parte controlo de tráfego aéreo desligados, não comunicam previamente planos de voo e não respondem às chamadas via rádio quando são localizados pelos radares militares no sentido de se identificarem e dizerem ao que vêm. Este modus operandi é visto por diversas fontes militares como um teste, por parte dos russos, ao sistema de alerta de reação rápida da NATO.

Portugal contribuiu para este sistema mantendo uma parelha de F-16 pronta a descolar em apenas 15 minutos da Base Aérea nº 5, Monte Real, Leiria, 24 horas por dia, 365 dias por ano.

O comandante supremo aterrou em Monsanto a bordo de um EH-101 Merlin

O comandante supremo aterrou em Monsanto a bordo de um EH-101 Merlin

Foto António Pedro Santos / Lusa

Depois dos Bálticos, a Roménia

Mas os F-16 portugueses não cumprem apenas as chamadas missões de defesa do espaço aéreo. Entre maio e agosto do ano passado quatro aeronaves deste tipo estiveram novamente a patrulhar, ao serviço da NATO, os céus dos três estados bálticos, Estónia, Letónia e Lituânia. E os russos, outra vez, ali tão perto. Este ano, entre setembro e dezembro, estarão a policiar os céus da Roménia, país a quem Portugal vendeu 12 caças deste tipo.

Ficou claro esta manhã que as missões internacionais da Força Aérea estão longe de se esgotarem com os caças de linhas arrojadas. Exemplos não faltam. Durante a apresentação, a que também assistiu o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, o brigadeiro-general Paulo Mateus destacou o trabalho realizado pela FAP ao serviço da Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (Frontex). “Desde 2011 realizámos 650 missões durante as quais foram detetadas 116.500 embarcações e salvos 8850 migrantes. Este ano vamos estar no Mediterrâneo cerca de sete meses mas a União Europeia queria-nos em permanência, só que não podemos fazê-lo. Temos dado o nosso contributo.”

Marcelo Rebelo de Sousa descolou esta manhã da Base Aérea de Sintra a bordo de um EH-101 Merlin e assistiu a duas demonstrações de capacidades: uma operação de busca e salvamento e uma interceção por caças F-16

Marcelo Rebelo de Sousa descolou esta manhã da Base Aérea de Sintra a bordo de um EH-101 Merlin e assistiu a duas demonstrações de capacidades: uma operação de busca e salvamento e uma interceção por caças F-16

Foto António Pedro Santos / Lusa

E do mar de tamanha tragédia rumou a sul, para Bamaco, capital do Mali, onde um C-130, 60 militares da FAP e seis do exército permanecerão ao serviço da ONU até maio; e ainda mais para sul, até Bangui, na República Centro-Africana, onde quatro controladores aéreos táticos integram o destacamento, igualmente ao serviço das Nações Unidas, composto por 160 militares, dos quais 156 do Exército, sendo 111 dos Comandos. “São estes homens que conseguem pegar nos meios aéreos [estrangeiros] e utilizá-los em função das necessidades de uma dada missão. Caso contrário seria impossível cumpri-las”, explica Paulo Mateus.

Azeredo Lopes acompanhou Marcelo Rebelo de Sousa na visita ao Comando Aéreo e a seu lado escutou os "desafios" da Força Aérea

Azeredo Lopes acompanhou Marcelo Rebelo de Sousa na visita ao Comando Aéreo e a seu lado escutou os "desafios" da Força Aérea

Foto António Pedro Santos / Lusa

A apresentação não haveria de terminar sem que o diretor de operações aéreas chamasse a atenção do comandante supremo das Forças Armadas, que aterrou em Monsanto a bordo de helicóptero EH-101 Merlin depois de assistir a um salvamento no mar, para aquilo a que chamou, eufemisticamente, “desafios”. Leia-se a crónica falta de meios da Força Aérea. “O recuperador, o piloto e o mecânico que o senhor Presidente viu, para fazerem aquilo [salvar pessoas] têm de voar e voltar a voar para estarem prontos para sair, não no bom tempo, mas à noite ou durante o dia, para salvar quem precisa”.

Aos “desafios” do brigadeiro-general Paulo Mateus Marcelo Rebelo de Sousa respondeu assim: “O Presidente da República e comandante supremo tem a exata noção da dificuldade que é cumprir mais tarefas com recursos exíguos. No caso da Força não é apenas a preparação e a atualização constante dos recursos humanos. É também a disponibilidade de aeronaves de forma atualizada. E esse é um desafio que se coloca permanentemente.”