Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa felicita Marcelo pelo 1.º ano de mandato com uma imagem simbólica

Primeiro-ministro elogiou a contribuição do chefe de Estado para o “clima de paz social” e “maior confiança no país”

Para assinalar o 1.º aniversário do mandato do Presidente da República, António Costa dirigiu esta quinta-feira uma mensagem a Marcelo Rebelo de Sousa no Twitter, acompanhada de uma imagem simbólica. “Felicito o Sr. Presidente da República pelo 1º ano de mandato e pela sua contribuição para o clima de paz social e maior confiança no país”, escreveu Costa num post na rede social.

Mas mais importante do que a frase será a mensagem que o primeiro-ministro quer transmitir com a imagem do post, que mostra Costa a segurar um chapéu de chuva para Marcelo, nos arredores de Paris, momento que marcou a Festa da Rádio Alfa a 12 de junho, no âmbito do Dia de Portugal.

“Estão a ver o que é a colaboração entre os dois poderes? Mas vejam bem, quem tem o guarda-chuva é o senhor primeiro-ministro de esquerda, quem é apoiado é o Presidente que veio da direita”, afirmou na altura o chefe de Estado.

Costa respondeu com um sorriso que era a “solidariedade”, ideia que foi repetida depois pelo Presidente Marcelo. Ora a imagem que retrata este momento pode ser entendida como um símbolo do bom relacionamento institucional que o primeiro-ministro pretende manter com o chefe de Estado nos próximos 365 dias.

Em jeito de balanço, Marcelo disse esta quinta-feira em Belém que o seu primeiro ano de mandato foi marcado pela “estabilidade” e pela “descrispação” e quando questionado pelos jornalistas sobre o debate aceso no Parlamento, o Presidente da República desvalorizou a crispação, defendendo que é natural em ano de autárquicas.

“Num ano eleitoral, sobe um bocadinho a crispação. Depois das autárquicas, os partidos têm os congressos e vão ter de refletir internamente e preparar-se para os grandes combates das europeias e das legislativas. Portanto, este combate das autárquicas é muito importante”, sustentou.

“Do que eu me recordo como laranjinha, os laranjinhas empenhavam-se loucamente nas autárquicas. E presumo que os outros partidos também”, acrescentou.

Sobre as críticas da oposição – que acusa o chefe de Estado de se alinhar sempre com o Governo –, Marcelo também desvalorizou essa questão. “Faz parte da luta partidária criticar tudo, criticar os outros partidos, criticar o Governo, criticar o Presidente. É a democracia, é assim. Faz parte da lógica das coisas. Também, se a oposição não fizesse isso, o que fazia?”, questionou.