Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Marcelo recebeu Carlos Costa e quer estabilidade no BdP

Marcos Borga

O governador do Banco de Portugal esteve em Belém. Presidente da República não alinha nos ataques a Carlos Costa

O governador do Banco de Portugal esteve no Palácio de Belém e articulou com o Presidente da República a reação aos ataques de que vem sendo alvo pelas alegadas falhas cometidas na supervisão bancária.

Ao que o Expresso apurou, a reunião ocorreu na semana passada, já depois do carnaval. E Marcelo Rebelo de Sousa, que desde o início do seu mandato fez da estabilidade do sistema financeiro uma prioridade, não alinha nos ataques da esquerda ao governador.

Para o Presidente, há uma diferença clara entre as posições do BE, do PCP e de algumas vozes do PS, que querem pressionar a saída de Carlos Costa, e a posição do primeiro-ministro, que sublinhou estar a falar-se de um cargo inamovível.

Dependendo do Banco Central Europeu e estando ainda a menos de meio do seu segundo mandato, o governador do banco central não deverá, na opinião do chefe de Estado, ser puxado para o centro da querela partidária. Muito menos numa altura em que estabilizar a banca é, tanto para o Presidente da República como para o Governo, a palavra de ordem.

Este domingo, na SIC, o comentador e conselheiro de Estado Luís Marques Mendes pediu que deixem o governador trabalhar e defendeu que o Presidente da República deveria tomar uma posição de mediação em defesa de Carlos Costa. A reunião em Belém já terá sido nesse sentido.

Além das críticas ao governador expressas pela esquerda, as últimas semanas têm sido marcadas por propostas de Carlos Costa para a administração do Banco de Portugal que não têm sido acolhidas pelo governo. Tanto que, como o Expresso revelou no sábado, o governador retirou a lista que havia proposto.

Estes desenvolvimentos têm sido interpretados como um isolamento de Carlos Costa, a cujas intenções falta o apoio político do governo, nomeadamente do ministro das Finanças. Mário Centeno, recorde-se, saiu do Banco de Portugal para o governo. São conhecidas as suas desavenças com Carlos Costa.

  • Costa quer “repor a verdade” e rebater reportagem da SIC

    Para se defender da reportagem da SIC “Assalto ao Castelo”, que deixou na semana passada a reputação Carlos Costa em causa, o governador telefonou no sábado a Teresa Leal Coelho para dizer que estava disponível para ir ao Parlamento - e escreveu-lhe hoje. A carta, a que o Expresso teve acesso, fala de um objectivo de desacreditar o banco central. Bloco e PCP querem que Carlos Costa saia do Banco de Portugal

  • Grande Reportagem SIC: Assalto ao Castelo

    Que papel teve afinal o Banco de Portugal no caso BES? O regulador sabia e não agiu a tempo? O poder de Ricardo Salgado terá ofuscado a atuação da supervisão? O Banco de Portugal omitiu informações aos deputados da Comissão de Inquérito ao BES? Quatro perguntas a que os três episódios da Grande Reportagem da SIC tentarão dar resposta

  • Grande Reportagem SIC: Assalto ao Castelo - Episódio 2

    No segundo episódio da Grande Reportagem “"Assalto ao Castelo”, revelamos um relatório do BPI que esteve, até hoje, na penumbra. Carlos Costa recebeu-o em 2013 e despachou-o para o seu vice a 1 de agosto de 2013 que, por sua vez, o despachou para o departamento de supervisão nesse mesmo dia. Nesse relatório, o BPI reúne documentação sobre o estado das finanças do GES. De acordo com esses dados, o grupo de Ricardo Salgado estava falido desde 2011. O que fez o Banco de Portugal? É a pergunta que se impõe

  • Grande Reportagem: Assalto ao Castelo - Episódio 3

    No terceiro e último episódio, viajamos até ao Dubai e mergulhamos numa geografia que ainda não integrava o mapa do maior escândalo financeiro que assolou Portugal. O centro da história é a filial do BES no Dubai. Um escândalo dentro do escândalo que Carlos Costa conhecia ao pormenor. A história começa com um famoso treinador de futebol