Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Assunção Cristas sobre o BdP: “O mais importante não é fragilizar instituições, é reforçá-las”

Alberto Frias

Líder do CDS acusou a esquerda de estar preocupada com nomes e não com ideias para melhorar a supervisão bancária

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, recusou esta terça-feira "fragilizar" o Banco de Portugal (BdP) e discutir nomes, defendendo que o momento deve servir para introduzir melhorias no sistema de supervisão, como as saídas das comissões parlamentares de inquérito.

"Para nós, o mais importante neste momento não é fragilizar instituições, é reforçá-las, e reforçá-las faz-se retirando as devidas consequências das conclusões de todo esse trabalho parlamentar", afirmou Assunção Cristas, questionada se o CDS estava arrependido de ter reconduzido Carlos Costa como governador do Banco de Portugal, durante o executivo liderado por Pedro Passos Coelho.

A líder do CDS-PP, que na quinta-feira faz uma interpelação ao Governo sobre supervisão bancária no Parlamento, argumentou que "o mais relevante politicamente é utilizar este momento para refletir sobre as melhorias a introduzir ao sistema de supervisão, de maneira a que situações que não correram bem no passado não se voltem a verificar".

"Muito do ruído que se ouve à esquerda, também da área do PS, não ajuda a que as instituições sejam reforçadas. O que vemos é a esquerda preocupada com nomes e não com ideias", acusou.