Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Pacheco Pereira acusa Paulo Núncio de proferir “uma sucessão de mentiras”

Luis Barra

A propósito das explicações dadas pelo ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, o comentador manifestou-se chocado com a “impunidade completa e a arrogância de nos mentir com a maior desfaçatez”

Pacheco Pereira acusou esta quinta-feira à noite o ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, de ter proferido “uma sucessão de mentiras” nas explicações que deu sobre a saída de dinheiro para as offshores na comissão parlamentar do Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

No seu comentário habitual no programa da SIC Notícias “Quadratura do Circulo”, manifestou-se chocado com a “impunidade completa e a arrogância de nos mentir com a maior desfaçatez”, acrescentando que “é algo muito grave no nosso sistema político”, também por estar “ligada a uma elite”.

Pacheco Pereira disse que, ao ter assumido toda a responsabilidade pela não publicação das estatísticas relativamente à saída de dinheiro para as offshores, Núncio contradisse o comunicado que ele próprio lançara 15 dias antes.

O comentador considerou ainda que as declarações de Núncio apresentaram “um conjunto de implausiblidades”, “explicações que de um modo geral ocultam a realidade”, referindo não ser credível o argumento de que a publicação das estatísticas fosse beneficiar quem estivesse a fazer fraude fiscal e que a “sua ocultação escondeu o peso dessas transferências”.

“Estamos a tratar de uma quantia gigantesca, que altera completamente as estatísticas e que não entraram para o sistema por acaso”, afirmou.

Já Lobo Xavier acusou o PS de “estar a reagir à barreira sistemática de mentira do ministro das Finanças ao disparar” com acusações sobre membros do Governo anterior.

Por seu turno, Jorge Coelho disse a propósito do mesmo assunto que “a procissão ainda vai no adro”, mostrando-se convicto que, uma vez que “as inspeções ainda estão a decorrer, vamos ter notícias todas as semanas a acrescentar gravidade à situação”.