Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Rocha Andrade: “Valor oculto em 2014 ultrapassou o valor declarado”

Tiago Miranda

Em causa, nesse ano, está um montante total de 3.806 milhões de euros, dos quais 3.363 milhões de euros não foram controlados, ou seja, 88%, como foi referido esta quarta-feira na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa

As características das 14.484 transferências para offshore que escaparam ao controlo inspetivo da Autoridade Tributária estão a ser averiguadas, disse o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, sublinhando que o valor oculto ultrapassou o declarado em 2014.

Em causa, nesse ano, está um montante total de 3.806 milhões de euros, dos quais 3.363 milhões de euros não foram controlados, ou seja, 88%, como foi referido esta quarta-feira na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

"O valor oculto em 2014 ultrapassou o valor declarado", afirmou esta quarta-feira Rocha Andrade, durante a sua audição na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, sublinhando "as transferências ocultas tinham em média um valor superior".

Questionado sobre as características das transferências que não constavam do sistema central, o governante explicou que esse trabalho está agora a ser feito.

"Das operações que conhecemos, 90% são relativas a pessoas coletivas e 10% a pessoas individuais", informou Rocha Andrade, apontando para um número de transferências processadas na ordem das 30 mil.

Do total das operações relativas a pessoas coletivas, isto é, a empresas, cerca de 58% correspondem a operações de cash management (transferências para uma outra conta de um mesmo titular situada no estrangeiro), 18% apagamentos relativos a comércio, 8,8% a pagamentos a fornecedores e 33% operações relacionadas com atividades de trocas internacionais, de acordo com o responsável.

Sobre as transferências ocultas, Rocha Andrade avançou que, em 2014, quase todas (97%) foram destinadas ao Panamá.

"Quase tudo o que foi para o Panamá está oculto", realçou, indicando que nos anos de 2012 e 2013 deu-se uma situação semelhante mas com as Ilhas Antilhas Holandesas como destino das transferências.