Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

CGD. “De que tem tanto medo o PS, PCP e BE?”, questiona Luís Montenegro

Marcos Borga

O líder parlamentar do PSD considerou muito estranho que haja “tanto receio” de se verificar os termos das comunicações trocadas entre Mário Centeno e António Domingues

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, questionou esta quinta-feira de que têm "tanto medo" PS, PCP e BE sobre a troca de comunicações entre Mário Centeno e António Domingues, dizendo que grande parte do seu conteúdo já é conhecido.

No final da reunião do grupo parlamentar do PSD, Luís Montenegro reiterou que "até ao final da semana" – provavelmente na sexta-feira – será entregue o requerimento de PSD e CDS-PP a formalizar uma nova comissão de inquérito potestativa sobre a Caixa Geral de Depósitos (CGD), e criticou que alguns já tivessem avançado com a hipótese de ser inconstitucional.

"É muito sintomático que ainda não há comissão de inquérito, nem delimitação do objeto e já haja um esforço tão grande por parte das forças que têm protagonizado o boicote democrático neste parlamento em querer demonstrar que há diligências inconstitucionais", sublinhou.

Depois de apresentado publicamente o objeto, disse, "a comissão tomará as diligências probatórias que entender adequadas ao cumprimento desse objeto", não excluindo, tal como adiantou numa entrevista ao "Público" e Renascença, que o primeiro-ministro, António Costa, possa ser chamado a dar esclarecimentos à futura comissão de inquérito.

"Nessas diligências não deixarão de ser ouvidas pessoas, de ser pedido o acesso a documentos que possam ajudar à descoberta da verdade e, do nosso ponto de vista, as comunicações que foram trocadas entre o ministro das Finanças [Mário Centeno], o seu gabinete, os seus secretários de Estado e a administração da Caixa, quer antes de o ser quer no exercício de funções, também será alvo dos trabalhos", afirmou.

O líder parlamentar do PSD considerou muito estranho que haja "tanto medo, tanto receio" de se verificar os termos dessas comunicações, quando parte delas "o dr. António Domingues [anterior presidente da CGD] já as enviou ao Parlamento, uma parte é do conhecimento dos órgãos de comunicação social" e afirmando que também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já teve acesso a esses documentos.

"Quando praticamente toda a gente sabe do que é que estamos a falar - de troca de informação institucional e não de uma conversa de amigos - a propósito do convite feito a pessoas que antes de assumirem funções representaram o Estado português em reuniões europeias, que contrataram pessoas - advogados, consultoras - os deputados, representantes do povo, não podem por razões legais e constitucionais", questionou.

"Estamos já no domínio da brincadeira que não prestigia nem o Parlamento nem o povo", acrescentou.

  • PSD não exclui chamar António Costa à nova comissão de inquérito

    Líder parlamentar do PSD acusa Ferro Rodrigues de parcialidade na gestão da atual situação política e revela ainda que o objeto da nova comissão de inquérito à CGD já “está praticamente pronto” e “andará à volta do período entre o convite feito ao dr. António Domingues e a sua demissão”