Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Sondagem. PS recupera, PSD volta a descer

Partido de Passos Coelho volta a cair nas intenções de voto e fica abaixo da fasquia psicológica dos 30%, alargando a sua desvantagem em relação aos socialistas. Já são quase nove pontos a separar os dois principais partidos

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Jornalista da secção Política

Janeiro dera tréguas ao PSD, que susteve a queda dos últimos meses, mas fevereiro volta a trazer más notícias para o partido liderado por Pedro Passos Coelho: de acordo com o estudo mensal da Eurosondagem para o Expresso e SIC, o PSD tem agora 29,2% de intenções de voto, menos 0,8% que há um mês e oito décimas abaixo da fasquia psicológica dos 30%.

É o pior resultado para os sociais-democratas desde as legislativas de 2015 e a confirmação de que a estratégia de Passos para se afirmar na oposição, recusando-se a votar favoravelmente a descida da TSU negociada pelo Governo com os parceiros sociais, não resultou. Pelo menos para os inquiridos deste barómetro.

Em contrapartida, e apesar do embaraço que o episódio da TSU causou no Governo (a ter de encontrar uma solução alternativa que simultaneamente agradasse a patrões e parceiros parlamentares), o Partido Socialista recupera boa parte (0,5%) dos 0,7% perdidos há um mês. Contas feitas, a vantagem dos socialistas sobre os sociais-democratas alarga-se para uns confortabilíssimos 8,6 pontos percentuais.

Queda significativa, proporcionalmente falando, sofre o PAN. O partido Pessoas-Animais-Natureza, que tem um deputado eleito, perdeu mais de um terço das intenções de voto registadas há um mês: de 1,8% passa para 1,1%. São exatamente os mesmos 0,5 que sobe a CDU.

O CDS também vê (muito ligeiramente) aumentadas as suas expectativas eleitorais – garante mais 0,1% de eleitores do que em janeiro –, ao passo que o BE deixa fugir 0,3%.

Marcelo volta a cair

Na popularidade dos líderes, o juízo dos inquiridos da Eurosondagem é unânime: não há aplausos para ninguém. De Marcelo Rebelo de Sousa a Jerónimo de Sousa, todos sofrem avaliações negativas.

Passos Coelho é, porém, o mais penalizado – com menos 2,2% do que em janeiro –, seguido do Presidente da República e de Assunção Cristas – ambos com menos 1,9%. António Costa é hoje menos 1,4% popular do que há um mês. O secretário-geral comunista perde 1,3% e Catarina Martins é, ainda assim, a mais poupada: fica 0,9% abaixo do nível de popularidade de janeiro, mas continua a ser a líder com o saldo mais estreito (6,4%).

FICHA TÉCNICA Estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, de 1 a 8 de fevereiro de 2017. Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por região: Norte (20,4%) — A.M. do Porto (14,7%); Centro (28,6%) — A.M. de Lisboa (26,5%) e Sul (9,8%), num total de 1017 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1225 tentativas de entrevistas e, destas, 208 (17%) não aceitaram colaborar neste estudo. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma resultou, em termos de sexo: feminino — 51,6%; masculino — 48,4% e no que concerne à faixa etária dos 18 aos 30 anos — 16,8%; dos 31 aos 59 — 51,2%; com 60 anos ou mais — 32%. O erro máximo da amostra é de 3,07%, para um grau de probabilidade de 95%. Um exemplar deste estudo de opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.