Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Governo quer criar 12 estradas para ligar zonas empresariais às autoestradas

O Programa de Valorização das Áreas Empresariais é apresentado esta terça-feira pelo primeiro-ministro e pelo ministro do Planeamento e das Infraestruturas

O Governo apresenta esta terça-feira, no Entroncamento, um Programa de Valorização das Áreas Empresariais, que prevê a construção ou a requalificação de 12 estradas prioritárias para melhorar a ligação de zonas empresariais às grandes autoestradas.

De acordo com o gabinete do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, este programa insere-se no objetivo do Governo de promover o investimento e o crescimento e desenvolve-se em dois eixos: na criação ou expansão de infraestruturas de localização empresarial nas regiões Norte, Centro e Alentejo e na intervenção nos acessos rodoviários às áreas empresariais já consolidadas nas mesmas regiões.

O programa será apresentado pelo primeiro-ministro, António Costa, e pelo ministro Pedro Marques, no Entroncamento, no distrito de Santarém, onde está precisamente uma das vias que vai beneficiar destes melhoramentos, o troço da Via Estruturante a construir entre o Nó da A32 (Pigeiros) e o Nó da Abelheira (Escariz).

Entre as vias beneficiadas pelo Programa de Valorização das Áreas Empresariais estão também a construção de dois novos acessos das zonas industriais de Arouca e de Castelo de Paiva à A32, anunciaram os dois municípios.

No caso de Castelo de Paiva, a autarquia congratula-se por estar previsto o anúncio da construção do troço em falta da variante à EN 222, até ao nó da A32, em Canedo, considerado importante para a ligação à Zona Industrial das Lavagueiras.

No caso de Arouca, o programa a anunciar pelo Governo inclui a ligação entre o nó da A32 em Pigeiros e o nó da Abelheira, em Escariz.

A autarquia assinala que a nova acessibilidade beneficiará as áreas empresariais de Mata-Mansores, Farrapa-Rossio, Lameiradas e Parque de Negócios de Escariz.

O programa foi anunciado pelo primeiro-ministro, António Costa, a 27 de janeiro, durante o debate quinzenal na Assembleia da República.

António Costa revelou que o investimento será realizado com recurso a fundos nacionais e pretende “garantir que as empresas podem beneficiar das infraestruturas e assim melhorar as condições de competitividade”.