Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Governo está “paralisado” e a António Costa falta o “instinto matador”

Governo está, alem disso, “sem agenda”, uma vez que “os acordos que existiam com o BE e com o PCP estão esgotados”, diz Marques Mendes, que no seu espaço de comentário na SIC elogiou ainda o processo de entrada dos novos administradores da CGD, liderados por Paulo Macedo, homem com “uma personalidade fortíssima” que “não vai deixar ninguém imiscuir-se ou intrometer-se naquilo que é da sua competência”

Helena Bento

Jornalista

Marques Mendes tem várias críticas a fazer ao Governo, que na sua opinião está “paralisado” desde que o Orçamento do Estado foi aprovado, em novembro, e também “sem agenda”, além de que “já não parece ser o que era no início”. “Tirando a questão da concertação social e da TSU [Taxa Social Única], não houve mais nenhuma medida relevante”, disse o comentador este domingo, no seu espaço de comentário semanal na SIC.

O primeiro-ministro foi o alvo principal (e o único) das críticas de Marques Mendes, que considera que António Costa “não esteve bem nos dois últimos debates no Parlamento”. “Estava sem iniciativa, muito à defesa e sem o seu instinto matador”. Sobre a questão da ausência de uma agenda, o comentador esclareceu, por ser nisso que acredita, que isso está a acontecer porque “os acordos que existiam com o BE e com o PCP estão esgotados, esgotaram com o Orçamento do Estado”. O Governo, disse Marques Mendes, está simplesmente a “fazer gestão corrente, navegação à vista”.

Questionado a respeito de uma eventual crise política na “geringonça”, Marques Mendes disse que “PS, PCP e Bloco de Esquerda não querem crise política nenhuma” e que “estão unidos para o bem e para o mal”, dando o exemplo da passagem da gestão da Carris para a Câmara Municipal de Lisboa, em que o PCP recuou. “Quem provocar uma crise é fortemente penalizado”, além de que estes partidos “gostam mais de estar no poder ou próximo dele do que na oposição”, porque “o poder fascina”, disse.

Sobre a nova administração da Caixa Geral de Depósitos, que tomou posse na semana passada, Marques Mendes elogiou o processo de entrada dos novos administradores, liderados pelo ex-ministro da Saúde Paulo Macedo, e sublinhou que tudo foi feito com “muita serenidade, tranquilidade e sem trapalhada nenhuma”. O comentador teceu ainda alguns elogios a Paulo Macedo, que, na sua opinião, tem “uma personalidade fortíssima” e por isso “não vai deixar ninguém imiscuir-se ou intrometer-se naquilo que é da sua competência”.