Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Esquerda une-se para chumbar audição de Armando Vara

Nuno Fox

PSD e CDS queriam ouvir o ex-ministro e ex-administrador da Caixa, suspeito de favorecimentos políticos quando dirigia o banco público. PS, PCP e BE votaram duas vezes contra. Mas Vara vai ser chamado na mesma

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

PS, BE e PCP concertaram posições esta quinta-feira de tarde no Parlamento para impedir uma série de audições que eram requeridas pelo PSD e pelo CDS no âmbito da comissão parlamentar de inquérito (CPI) à Caixa Geral de Depósitos (CGD). Entre elas, a audição de Armando Vara, ex-administrador da Caixa (e ex-ministro socialista) sobre quem recai a suspeita de ter dado luz verde a empréstimos por razões políticas. Vara é visto, pelo PSD e pelo CDS, como uma espécie de "braço armado" de José Sócrates dentro da CGD, não só pela proximidade que tinha com o ex-primeiro-ministro, como pela aparente articulação entre as prioridades definidas pelo Governo de então e algumas apostas da Caixa - destacando-se o empreendimento de Vale do Lobo, mas também os financiamentos concedidos, através de contas-fantasma, para aquisição de ações durante as ofertas públicas de venda da Galp e da REN, caso que levou a CMVM a multar Vara em 50 mil euros por negligência.

Recorde-se que o antigo vice-presidente da Caixa foi condenado a cinco anos de prisão por tráfico de influências no caso Face Oculta (de cuja sentença recorreu, aguardando decisão) e está indiciado na Operação Marquês por suspeita de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção passiva, relacionada com o crédito da CGD ao empreendimento de Vale de Lobo - um dos casos mais notórios de crédito problemático do banco público.

PSD vai mesmo chamar Vara

Matéria não falta, mas PS, BE e PCP uniram-se para chumbar esta audição. Duas vezes: recusaram o pedido do PSD e o do CDS. Apesar disso, Vara será mesmo chamado à CPI. O Expresso sabe que o PSD usará o seu direito de agendamento potestativo (figura que não pode ser bloqueada pela maioria) para ouvir alguns dos nomes agora chumbados - nomeadamente Armando Vara. O CDS deverá também recorrer à mesma figura regimental.

Além de Vara, foi recusada pela esquerda a audição de cerca de 20 outros nomes apresentados por PSD e CDS - entre eles Francisco Bandeira, outra figura próxima do Governo Sócrates, também multado, como Vara, pela CMVM por "negligência" no mesmo processo de créditos concedidos através de contas-fantasma. Outros dos nomes que PSD e CDS queriam chamar à CPI eram Carlos Costa, Mário Centeno e António Domingues - neste caso, para os ouvir segunda vez sobre contradições detetadas nos seus depoimentos. Todas as propostas foram recusadas pela esquerda.

A maioria PS/BE/PCP aprovou apenas mais quatro audições na CPI: o ex-chairman da CGD Álvaro Nascimento, o antigo administrador António Nogueira Leite, o presidente do Tribunal de Contas e o Inspector-Geral de Finanças.