Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Caldeira Cabral diz que economia “vive bom momento” e que PSD está “em contramão”

O ministro da Economia acusou os sociais democratas de serem os “profetas da desgraça”. Numa sessão marcada sobretudo pela discussão sobre a evolução dos indicadores económicos, Caldeira Cabral considerou que há “sinais muito positivos”

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, disse esta quarta-feira, no parlamento, que a economia portuguesa "vive hoje um bom momento" e acusou o PSD de ser "profeta da desgraça" e de andar "em contramão".

"A economia vive hoje um bom momento. O crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] está a acelerar e teve um dos melhores desempenhos de toda a União Europeia no terceiro trimestre de 2016", disse Caldeira Cabral, na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Numa sessão marcada sobretudo pela discussão sobre a evolução dos indicadores económicos durante os mandatos do executivo de Passos Coelho e já de António Costa, o PSD criticou o atual Governo por anunciar "boa roupagem", mas apoiar-se "num modelo económico errado", apostando "em medidas perigosas em Portugal". Em resposta, Caldeira Cabral acusou o PSD de ser "profeta da desgraça".

"Vivemos num país completamente diferente, parece-me que o PSD vai em contramão, com um discurso extremamente negativo que não corresponde à perceção dos portugueses e dos consumidores. Eventualmente percebo que, do seu lado, todos estão errados, mas se olhar para o lado, se calhar é o PSD que está em contramão", disse o ministro da Economia.

Caldeira Cabral analisou a evolução de uma série de indicadores económicos, que mostram "sinais muito positivos", e diversas previsões, nomeadamente de entidades internacionais, como o Fundo Monetário Internacional, que diz serem mais positivas do que as do próprio Governo.

Já o deputado do CDS-PP contrapôs, afirmando que "a previsão macroeconómica e de crescimento do Governo não corresponde à da Comissão Europeia, que considera que o Governo está a inflacionar [as previsões]".