Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PSD/Gaia apoia Cancela de Moura na corrida autárquica

Depois de há um mês ter recusado ser candidato à Câmara de Gaia, José Cancela de Moura foi escolhido pela Concelhia como cabeça de lista dos sociais-democratas às autárquicas. Nome do ex-vereador de Luís Filipe Menezes não é consensual entre os militantes e responsáveis da Distrital

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

A concelhia do PSD de Vila Nova de Gaia decidiu apoiar por unanimidade e aclamação o nome de Cancela de Moura como candidato às eleições autárquicas de outubro. A decisão, tomada na noite desta segunda-feira, não é consensual entre militantes e alguns responsáveis do partido a nível local e nacional, que consideram Cancela de Moura “uma figura apagada” para recuperar a autarquia ao socialista Eduardo Vítor Rodrigues.

Após ter sido apontado, no final de 2016, como candidato do partido à autarquia governada no passado, durante 16 anos, por Luís Filipe Menezes, o próprio Cancela de Moura revelou há cerca de um mês junto da Distrital que não “seria candidato”, tendo alegado que não protagonizaria uma “candidatura vencedora”.

A Concelhia do PSD avança em comunicado que na escolha participaram a totalidade dos membros da Comissão Política, incluindo aqueles que têm assento por inerência, seguindo agora o nome do líder da Concelhia de Gaia para a Distrital, antes da ratificação da Comissão Política Nacional.

José Cancela de Moura, vereador da Câmara de Gaia de 2002 a 2005, foi ainda administrador-executivo do conselho de administração do Parque Biológico de Gaia e adjunto do Secretário de Estado do Emprego entre 2014 e 2015. A escolha do líder da Concelhia surge após Marco António ter sido sondado por Passos Coelho para concorrer em Gaia, mas o vice-presidente do PSD recusou a disputa eleitoral no terceiro município do país.

Caso a candidatura de Cancela de Moura venha a ser aprovada pelo partido, fonte da Distrital do Porto afirmou ao Expresso que a decisão “poderá acelerar” a entrada na corrida autárquica de Luís Filipe Menezes como independente. Apesar de negar ser candidato, Menezes iniciou em janeiro, na sua página do Facebook, um ataque feroz ao atual presidente da Câmara, divulgando as 500 obras que levou a cabo no decurso dos seus mandatos. Uma estratégia encarada por dirigentes locais como um prenúncio de campanha.