Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PEV diz que valeu a pena impedir descida da TSU

Marcos Borga

Partido Ecologista “Os Verdes” vê com agrado redução do PEC porque considera que a descida da TSU era uma medida muito injusta

O PEV considerou esta sexta-feira que "valeu a pena impedir a descida da TSU", registando com agrado a redução do Pagamento Especial por Conta (PEC), que "revela preocupação" pela dinâmica económica do país.

No debate quinzenal com o primeiro-ministro, esta sexta-feira no parlamento, o deputado do PEV José Luís Ferreira (na foto) considerou que "valeu a pena impedir a descida da TSU porque era de facto uma medida muito injusta".

"E, não considerando nós que a redução do Pagamento Especial por Conta vise substituir esta medida - e muito menos que se trate de uma compensação pelo aumento do salário mínimo nacional -, ainda assim nós registamos com agrado até porque sempre defendemos a redução do PEC e a sua eliminação", defendeu.

O PEV regista, assim, "com agrado este importante sinal por parte do Governo que revela preocupação pelas micro, pequenas e médias empresas e também pela dinâmica económica do país", acrescentou.

José Luís Ferreira questionou ainda o primeiro-ministro sobre o desrespeito do Governo espanhol na questão da central nuclear de Almaraz, interrogando-o se não considerava "oportuno que o chefe de Governo exercesse pressão para assegurar o seu encerramento".

"Eu já fiz, faço e continuarei a fazer o que me compete fazer nessa matéria, pode não ser público, mas continuarei a fazer da forma que melhor protege o interesse nacional", assegurou António Costa.

O PEV pediu ainda explicações sobre o anúncio feito pelo Governo de 18 milhões de euros para financiar as culturas de eucalipto, considerando que não é "congruente que se criem estes caminhos de apoio ao eucaliptal".

"Vamos investir na floresta 500 milhões de euros, os 18 milhões de euros é por isso na melhoria de produtividade do eucalipto e é uma pequena parcela no volume global de investimento. Serão privilegiadas espécie autóctones, para uma floresta ordenada e mais resiliente para incêndios", explicou o primeiro-ministro.

Na agenda do PEV estiveram ainda os transportes públicos, que "continuam a prestar serviço longe das necessidades dos utentes", com o primeiro-ministro a assinalar a "mudança de paradigma dos transportes", com a entrega pela primeira vez da tutela dos transportes públicos urbanos das obras públicas ao Ministério do Ambiente.