Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa diz que se dependesse do PSD os salários e a carga fiscal mantinham-se iguais

Luís Barra

O primeiro-ministro acusou o PSD de ter falhado na tentativa de minar a concertação social. “Não será graças ao PSD que os trabalhadores verão aumentado o salário mínimo nacional, nem será graças ao PSD que as empresas verão diminuídos os seus custos fiscais”, disse António Costa

O primeiro-ministro acusou esta sexta-feira que o PSD demonstrou "irrelevância" política e que "não conta para nada no país", já que falhou na tentativa de minar a concertação social e de fragilizar a maioria que suporta o Governo.

António Costa falava na Assembleia da República, após o deputado independente da bancada do PS Paulo Trigo Pereira ter aberto o debate quinzenal, numa intervenção cuja parte final se destinou a criticar o PSD por ter chumbado ao lado do PCP, Bloco de Esquerda e PEV a descida da Taxa Social Única (TSU) dos empregadores em 1,25 pontos percentuais.

"Não será graças ao PSD que os trabalhadores verão aumentado o salário mínimo nacional, nem será graças ao PSD que as empresas verão diminuídos os seus custos fiscais. Se o país dependesse do PSD os salários continuariam a não subir e a carga fiscal continuava a não diminuir", declarou.