Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Marcelo esteve em todo o lado, mas Costa gerou mais notícias

ANA BAIÃO

Apesar da intensa agenda que teve desde que ganhou as presidenciais, Marcelo gerou menos notícias nos media portugueses do que o primeiro-ministro. Cristas é a líder partidária com menor protagonismo mediático na TV

Os pretextos sucederam-se: discursos, inaugurações, selfies, declarações, audiências, promulgações, visitas, receções, viagens ou comemorações. De onde, naturalmente, saíram notícias. Desde a sua vitória nas eleições presidenciais, em janeiro de 2016, a hiperativa agenda de Marcelo Rebelo de Sousa invadiu o espaço público, com a aparições sucessivas e a um ritmo diário nos media nacionais. “Marcelo disse”, “Marcelo fez”, “Marcelo foi”.

Mas se existe uma perceção geral de ‘furacão Marcelo’ nos meios de comunicação portugueses, a análise ao protagonismo mediático dos agentes políticos portugueses no último ano mostra que houve quem superasse o Presidente.

josé carlos carvalho

Segundo dados trabalhados pela agência de media intelligence Cision, o primeiro-ministro, António Costa, foi o político português que gerou mais peças informativas entre 24 de janeiro de 2016 e 23 de janeiro de 2017, com um total de 137.165 notícias (média de quase 376 por dia) nos suportes online (60.079), televisão (44.946), imprensa (17.191) e rádio (14.949). Um desempenho que superou o registo de Marcelo Rebelo de Sousa, cuja atuação no mesmo período suscitou um total de 122.913 notícias (média diária de 337), repartidas pelas edições online (51.198), canais de televisão (38.992), jornais e revistas (18.365) e estações de rádio (14.358).

O estudo feito pela Cision — com base num painel de mais de dois mil meios de comunicação no espaço editorial português (TV, rádio, online e imprensa) — confirma ainda que no período em análise o primeiro-Ministro teve mais 542 horas de protagonismo televisivo do que o Presidente da República (3.806 horas, contra 3.264) e mais 178 horas de presença nas rádios.

A favor de Costa nesta ‘disputa’ mediática poderá estar o facto de, apesar de ter ganho as eleições presidenciais a 24 de janeiro, Marcelo só ter tomado posse como Presidente da República a 9 de março. Um hiato de mês e meio que pode ajudar a explicar a diferença de cerca de 15 mil notícias para Costa, apesar da intensa agenda que Marcelo teve a partir de março.

marcos borga

Distante destes registos surge Pedro Passos Coelho, o terceiro protagonista político com maior exposição mediática, que gerou no último ano menos de metade das notícias suscitadas por Costa ou Marcelo: 60.355. Um volume informativo mais próximo do alcançado pelo ministro com maior protagonismo mediático no atual Governo, Mário Centeno, cuja pasta das Finanças o levou a ser alvo de 48.048 notícias entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

Entre os restantes líderes de partidos com assento parlamentar, o protagonismo mediático ao longo do último ano não teve diferenças significativas, oscilando entre as 19.255 notícias protagonizadas por Assunção Cristas, as 18.371 de Catarina Martins e as 16.084 de Jerónimo de Sousa. Curiosamente, embora tenha tido globalmente maior protagonismo mediático, a líder do CDS foi largamente batida por Catarina Martins e Jerónimo de Sousa no que se refere à exposição televisiva: a coordenadora do Bloco teve 780 horas de presença informativa nos canais de televisão, Jerónimo de Sousa 732 horas e Cristas ‘apenas’ 483 horas.

  • Marcelo, um ano a tirar selfies com o Governo

    Chegou e disse, disse e fez. No primeiro ano depois de ser eleito, assinalado esta terça-feira, Marcelo Rebelo de Sousa condicionou pouco mas acondicionou muito a governação. Construiu intencionalmente a sua imensa popularidade para fazer dela a sua rampa de ação e o seu escudo de proteção. Ortega Y Gasset poderia rescrever a sua mais famosa citação: a circunstância é a circunstância e o seu homem. O homem Marcelo, ano 1

  • O ano em que o Sol vai girar em torno da Terra

    Eis o resumo do futuro do mundo: terrorismo, crise dos refugiados, ressurgimento da xenofobia, protecionismo comercial, aparente escalada nuclear e implosão dos sistemas partidários. E algo de bom? Sim, claro. Vamos estar longe de tudo isto. Como sempre estivemos