Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PAN vai abster-se na votação parlamentar da TSU

Marcos Borga

O parlamento discute e vota esta tarde apreciações parlamentares, de Bloco de Esquerda e PCP, para revogar o diploma do Governo que baixa a Taxa Social Única para as empresas, o que será viabilizado com apoio do PSD e de “Os Verdes”

O deputado do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), André Silva, vai abster-se nas apreciações parlamentares desta quarta-feira que pedem a revogação da baixa da taxa social única (TSU) para os empregadores, revelou fonte partidária à agência Lusa.

O parlamento discute e vota esta tarde apreciações parlamentares, de Bloco de Esquerda e PCP, para revogar o diploma do Governo que baixa a Taxa Social Única (TSU) para as empresas, o que será viabilizado com apoio do PSD e também a luz verde de "Os Verdes". O PAN junta-se ao CDS-PP na abstenção.

"Demarcamo-nos deste ruído político", diz o PAN, que define a baixa da TSU como uma medida "paliativa, temporária e que não traduz as necessidades estruturais das pequenas e médias empresas" portuguesas.

De todo o modo, o partido diz não duvidar "da intenção do Governo em combater os salários baixos", e também não despreza "os consensos, muito menos a concertação social", pelo que a abstenção é o sentido de voto definido.

Em causa no debate de hoje está a redução temporária da TSU dos empregadores em 1,25 pontos percentuais, medida aprovada em sede de Concertação Social entre o Governo e os parceiros sociais - à exceção da CGTP, que não assinou o texto -, a par do aumento do salário mínimo nacional, que subiu de 530 para 557 euros, valor já em vigor desde 01 de janeiro.

Apenas um volte-face de última hora motivará o que se afigura como inevitável: o chumbo da medida.