Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Ferro felicita Marcelo pelo primeiro ano de mandato em Belém

Marcos Borga

Presidente do Parlamento enviou uma carta elogiosa ao chefe de Estado, no dia em que se assinala o primeiro aniversário da eleição de Marcelo Rebelo de Sousa

O presidente da Assembleia da República felicitou esta terça-feira Marcelo Rebelo de Sousa pelo seu primeiro ano de mandato como chefe do Estado, elogiando o seu contributo para a estabilidade política.

"Se Portugal é hoje um exemplo raro de estabilidade política e coesão nacional, no respeito pelos compromissos europeus, isso deve-se ao esforço de muitas pessoas e de muitas instituições, à cabeça das quais devemos colocar o atual Presidente da República", lê-se na mensagem enviada a Marcelo, divulgada pelo gabinete de Eduardo Ferro Rodrigues, que destaca "o ano intenso de acontecimentos em Portugal e no Mundo".

O presidente do Parlamento destaca na missiva que "não lhe compete apoiar candidatos presidenciais", dado que a sua missão é "garantir a melhor cooperação institucional possível com o cidadão que os portugueses decidem eleger", mas fzz um elogio ao Presidente.

"Um ano depois, não hesito em reconhecer que a excelente cooperação institucional estabelecida entre Presidente da República e Assembleia da República tem sido acompanhada por excelentes relações pessoais, sempre importantes para a facilitação da cultura de diálogo estratégico que os portugueses esperam dos órgãos de soberania", escreve.

A 25 de novembro de 2016, Marcelo Rebelo de Sousa condecorou Ferro Rodrigues com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade.

Marcelo Rebelo de Sousa foi eleito para Presidente da República a 24 de janeiro de 2016, à primeira volta, com 52% dos votos, e tomou posse a 9 de março.

Enfrentando um quadro de bipolarização resultante das legislativas, o antigo presidente do PSD defendeu, desde o início do mandato enquanto PR, que o Governo minoritário do PS, suportado por acordos à esquerda no parlamento, deve cumprir o seu mandato e tem sido, no essencial, convergente com o executivo chefiado por António Costa.

A sua relação com o PSD liderado por Pedro Passos Coelho tem registado, por isso, alguma tensão. Demarcou-se da ideia de que faltava legitimidade ao atual Governo e do discurso negativo da oposição sobre a trajetória das contas públicas, embora com reparos sobre a necessidade de captação de investimento e de crescimento económico.

Apesar de vir da mesma área política, Marcelo Rebelo de Sousa distinguiu-se do seu antecessor, Aníbal Cavaco Silva, no contacto próximo e informal com os cidadãos e na agenda intensa e presença mediática constante.