Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

TSU: BE rejeita compensações por aumento do salário mínimo

MÁRIO CRUZ / LUSA

“O que o BE não admite é que haja mecanismos de compensação do salário mínimo nacional que o que fazem é promover baixos salários”, assinala Catarina Martins

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) disse esta sexta-feira que o partido “não admite” compensações às empresas pelo aumento do salário mínimo, mas assinalou que a baixa da fatura energética e melhor acesso a financiamento são medidas favoráveis.

“Baixar custos de energia? Com certeza. Resolver problemas no acesso a financiamento? Precisamos disso. Diminuir os juros que as empresas pagam? Com certeza. Resolver problemas como o pagamento especial por conta, que é alto demais para as pequenas empresas? Aqui estamos para isso. Descapitalizar a Segurança Social? Isso não pode ser”, advogou Catarina Martins, falando aos jornalistas no parlamento.

A líder do BE falava depois de se ter reunido com uma delegação da CGTP, chefiada pelo secretário-geral, Arménio Carlos, e assinalou que ao olhar para os custos das empresas, é notório que “pesa muito mais a fatura da energia ou a fatura do financiamento, por exemplo, que os salários dos trabalhadores”.

Em causa no encontro entre o BE e a CGTP esteve a Taxa Social Única (TSU), nas vésperas de o parlamento poder chumbar a descida da taxa para os empregadores, após acordo em concertação social.

“O que o BE não admite é que haja mecanismos de compensação do salário mínimo nacional que o que fazem é promover baixos salários", assinalou Catarina Martins.

A redução da taxa, continuou, “foi utilizada em anos consecutivos” para compensar o aumento do salário mínimo, e “o que aconteceu com as sucessivas reduções é que o salário mínimo que chegava a 10% dos trabalhadores agora chega ao dobro”.

“Outra coisa diferente é perceber que as empresas precisam de outras diminuições noutros custos”, reconheceu Catarina Martins, falando depois novamente na fatura energética e nos custos de financiamento das empresas.

Pela CGTP, Arménio Carlos avisou o Governo: “Mais do que falar numa mudança de política, é preciso concretizar essa mudança”.

Se o executivo tivesse ouvido a central sindical, asseverou o seu líder, “não tinha o problema que agora tem”.

A CGTP não assinou o acordo de concertação social que prevê a descida da TSU: confederações patronais e a central UGT, por seu turno, firmaram o texto que foi assinado na terça-feira.