Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Vai ser preciso quarta ronda para eleger o presidente do Parlamento Europeu

Gianni Pittella, do S&D, foi o segundo candidato mais votado, com 199 votos

FREDERICK FLORIN/GETTY IMAGES

Desde 1979, chegar à quarta ronda para eleger um presidente do Parlamento Europeu só tinha acontecido uma vez. Antonio Tajani (PPE) e Gianni Pittella (S&D) serão os únicos dois candidatos da última volta. Tajani continua à frente, mas o resultado ainda está em aberto

Só por uma vez em 38 anos é que tinha sido preciso ir até à quarta ronda de votação para conseguir substituir o presidente do Parlamento Europeu. Esta terça-feira, voltou a acontecer: nenhum dos seis candidatos conseguiu maioria absoluta na terceira ronda de uma eleição que está a decorrer desde o início desta manhã, em sessão plenária, em Estrasburgo.

Parte-se agora para a quarta e última ronda, na qual participam apenas os dois candidatos mais votados: Antonio Tajani, do PPE, que conseguiu 291 votos na terceira ronda; e Gianni Pittella, do S&D, com 199 votos. As regras do Parlamento exigem que a votação não passe, no máximo, de quatro voltas. Nesta última, se houver um empate, o vencedor será o mais velho, ou seja, Antonio Tajani, que tem 63 anos (Pittella tem 58).

Os dois candidatos italianos são seguidos, na terceira ronda que agora terminou, pela belga Helga Stevens dos Conservadores e Reformistas (58), a britânica Jean Lambert dos Verdes (53), a italiana Eleonora Forenza da Esquerda Unitária (45 votos) e o romeno Laurenţiu Rebega do Partido da Europa das Nações e da Liberdade (44).

Esta quarta votação começará às 19 horas (de Lisboa) e o nome do próximo presidente do Parlamento Europeu será conhecido por volta das 20h30.

A única vez em que foi preciso chegar a uma quarta ronda de votação para eleger o presidente do Parlamento Europeu foi em 1982, da qual saiu vencedor o holandês Pieter Dankert, com 191 votos de um total de 366 votos expressos.

As primeiras eleições por sufrágio direto aconteceram em 1979. Desde essa altura até hoje, houve 14 eleições para presidente do Parlamento Europeu. Entre essas, contam-se dois casos em que a votação teve de chegar à terceira ronda: aconteceu em 1987 e 2002.

A eleição desta terça-feira fica, assim, marcada por prolongar-se ao longo de todo o dia. A primeira ronda arrancou às 9h da manhã (menos uma hora em Lisboa) e prevê-se que termine mais de 12 horas depois.

O que houve de diferente desta vez?

Estas eleições ficam marcadas pelo 'desentendimento' entre os dois maiores grupos políticos europeus, o PPE e o S&D, no sentido de apoiarem o mesmo candidato à presidência do Parlamento Europeu.

O acordo previa que o atual presidente, o alemão Martin Schulz do grupo dos socialistas e democratas (S&D), fosse substituído por um candidato do PPE, em quem os socialistas votariam esta terça-feira. Porém, os socialistas avançaram com um candidato próprio: Gianni Pittella, 58 anos, médico, ex-deputado em Itália e membro do Parlamento Europeu desde 1999.

Na semana passada o ambiente ficou mais tenso, com trocas de acusações entre os dois grupos políticos. O pico aconteceu quando o presidente do PPE, Manfred Weber, divulgou o acordo – que afinal era escrito e não apenas verbal - e que foi assinado em 2014 pelo PPE e o S&D, ao qual se juntaram os liberais (ALDE), liderados por Guy Verhofstadt.

Já esta terça-feira, Verhofstadt retirou a sua candidatura e anunciou que apoiaria Antonio Tajani, candidato do PPE, depois de o grupo dos liberais, que Verhofstadt lidera, ter estabelecido um acordo com o PPE. Segundo esse acordo, citado pelo jornal "Politico", Verhofstadt retiraria a sua candidatura em troca da Conferência dos Presidentes das Comissões para o ALDE.

Quase no final da terceira ronda, o ECR, grupo político dos Conservadores e Reformistas Europeus, deixou críticas a essa aliança. "O grupo ECR recusou apoiar o acordo feito entre o PPE e o ALDE, defendendo que em muitos aspetos ele representa as políticas falhadas no passado", escreveu, num comunicado.

O xadrez das várias posições e negociações conhecidas ao longo da tarde deixa em aberto o resultado desta eleição, que deverá ser conhecido daqui a três horas.

[notícia atualizada às 18h35]