Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PS impõe recondução de Miguel Costa Gomes em Barcelos

A Comissão Política Nacional do PS decidiu colocar um ponto final na luta interna pelo poder autárquico em Barcelos e optou pela recandidatura do atual presidente da Câmara. O pretendente Domingos Pereira, deputado e líder da Concelhia, diz que irá ouvir os socialistas locais e só depois decidirá se avança ou não como independente

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

A Comissão Política Nacional do PS determinou, esta segunda-feira, em reunião em Lisboa, que o atual presidente da Câmara de Barcelos será o candidato do partido às autárquicas de 2017, colocando uma pedra na luta interna dos socialistas de Barcelos, iniciada em junho de 2016. Com dois mandatos maioritários no executivo e na Assembleia Municipal, Miguel Costa Gomes foi o primeiro a colocar-se na corrida às eleições do outono próximo, alegando que a sua recondução era “natural” e em linha de conta com a diretriz do partido, segundo a qual em equipa que ganha não se mexe.

A decisão de avocar o processo autárquico e a escolha do atual presidente da Câmara de Barcelos pela Comissão Política Nacional vem de encontro à moção estratégica apresentada por António Costa no Congresso do PS, em junho último, defendendo que nas autárquicas de 2017 o “princípio geral” seria o da recandidatura dos atuais presidentes de câmara e de juntas de freguesia.

Apesar de a moção ter sido aprovada pela maioria dos delegados, Miguel Costa Gomes lembra que o seu então vice-presidente, Domingos Pereira, levou, no dia seguinte e à revelia do PS nacional, a escolha do candidato a votação interna da concelhia local, à qual preside. O ainda deputado Domingos Pereira, apoiado pelo líder da Distrital do PS-Braga, Joaquim Barreto, recolheu 92% dos votos, mas o presidente da Câmara de Barcelos sempre rebateu a votação de “anti-democrática”, acusando alguns membros da concelhia de terem votado duas e três vezes.

Domingos Pereira, a quem o líder da autarquia retirou todos os pelouros enquanto vereador, alega que não fez mais do que respeitar os estatutos, levando a indigitação do candidato à concelhia por defender que a recondução dos presidentes de câmara em exercício é um princípio genérico e não um imperativo. Após uma longa exposição, ontem, na Comissão Política nacional, Domingos Pereira não dá o processo autárquico por encerrado em Barcelos, adiantando ao Expresso que “todos os cenários possíveis e imaginários” estão em aberto até à próxima terça-feira, dia em que conferência de imprensa anunciará se avançará ou não como independente.

Antes de qualquer decisão, Domingos Pereira irá reunir com o secretariado da Concelhia do PS de Barcelos, no domingo com todos os presidentes de junta de freguesia eleitos pelo partido e na segunda-feira com a Comissão Política local. “Só então decidirei o que fazer”, refere o pretendente a candidato preterido pelo PS.

Miguel Costa Gomes refere que a decisão do partido cumpre de o apoiar na recondução do cargo veio “clarificar em definitivo algumas posições contrárias ao congresso de 2016 e reforçar a unidade do partido”.

O lider da Câmara de Barcelos frisa que esclarecidas as dúvidas e dissipadas as incertezas, o “passado é passado” que agora é tempo de unir a família socialista barcelense em torno do seu projeto político iniciado em 2009. “O que importa agora é o presente para preparar o futuro do concelho”, diz Costa Gomes, seguro que face a uma sondagem já efetuada pelo partido tem todas as condições para vencer em Barcelos.

Miguel Costa Gomes assegura ainda que tem todas as condições para apresentar lista à Câmara e às juntas de freguesia, lembrando que a elaboração das mesmas será controlada por uma Comissão técnica Nacional e não pela aparelho local.