Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Sondagem. Costa perde popularidade pela primeira vez

Marcos Borga

É uma estreia para o primeiro-ministro, que tinha vindo sempre a ganhar pontos na avaliação dos portugueses. O PS, que há oito meses consecutivos somava pontos, também cai

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Jornalista da secção Política

Pela primeira vez desde que é primeiro-ministro, António Costa perde popularidade. No primeiro barómetro de 2017 da Eurosondagem para o Expresso e a SIC, a avaliação do chefe do Governo sofre uma erosão (-1,2%). Algo que, coincidência (ou não), se regista na mesma semana em que o chefe do Executivo foi criticado por alguns por não ter interrompido a viagem de Estado à Índia para estar presente no funeral de Mário Soares.

Mas grande ‘trambolhão’ (-3,1%) dá Pedro Passos Coelho – e este nem precisou sair do país. O presidente do PSD, que tem um terço da popularidade de Costa, está agora com um saldo positivo de 11,5%, com Assunção Cristas a "morder-lhe os calcanhares" (com 10,2%). Todos os líderes, aliás, perdem pontos. Só o Presidente da República, que tinha descido nos dois barómetros anteriores, volta a subir (ainda que uns escassos 0,1%) na consideração nacional.

Nove meses depois... PS cai

Igualmente digno de nota é o facto de, após oito meses consecutivos sempre a conquistar intenções de voto, o PS baixar 0,7%. Ainda assim, mantém-se, sozinho, à frente de PSD e CDS somados: tem 37,3% das intenções de voto dos portugueses, contra 36,9% (30% do PSD + 6,9% do CDS) da antiga coligação de direita.

O PSD, desta vez, não perde votos – o que vinha a acontecer ininterruptamente desde setembro –, mas também não ganha. Um fenómeno que acontece também com o PAN (estabilizado nos 1,6%). Todos os restantes partidos crescem (ainda que muito ligeiramente) nas intenções de voto.

FICHA TÉCNICA Estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, de 5 a 11 de janeiro de 2017. Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por região: Norte (20%) — A.M. do Porto (14,7%); Centro (28,7%) — A.M. de Lisboa (26,6%) e Sul (10%), num total de 1010 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1221 tentativas de entrevistas e, destas, 211 (17,3%) não aceitaram colaborar neste estudo. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma resultou, em termos de sexo: feminino — 52,5%; masculino — 47,5% e no que concerne à faixa etária dos 18 aos 30 anos — 16,7%; dos 31 aos 59 — 51,5%; com 60 anos ou mais — 31,8%. O erro máximo da amostra é de 3,07%, para um grau de probabilidade de 95%. Um exemplar deste estudo de opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.