Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Voto de pesar a Soares aprovado por unanimidade e com aplausos em todas as bancadas

Marcos Borga

O voto de pesar da Assembleia da República pelo falecimento de Mário Soares foi aprovado por unanimidade esta tarde no Parlamento e motivou aplausos, de pé, em todas as bancadas parlamentares

O voto de pesar da Assembleia da República pelo falecimento de Mário Soares foi aprovado por unanimidade esta tarde no Parlamento e motivou aplausos, de pé, de todas as bancadas parlamentares.

Depois de cerca de uma hora de discursos do presidente da Assembleia da República, do ministro Augusto Santos Silva, em representação do Governo, e de todas as bancadas parlamentares, a sessão evocativa do antigo Presidente da República - que contou com a presença da família nas galerias e do filho e deputado João Soares na bancada do PS - terminou com a votação do voto de pesar, aprovado por unanimidade.

Depois da votação, foi emitida em quatro telas aifxadas no Plenário da AR uma curta montagem de fotos de Mário Soares que suscitou novo aplauso de pé em todas as bancadas. Seguiu-se o cumprimento de um minuto de silêncio e o hino de Portugal, tocado nos Passos Perdidos por uma banda da GNR e entoado no Plenário pela maioria dos deputados.

Populares aplaudem das bancadas da Assembleia da República a aprovação do voto de pesar

Populares aplaudem das bancadas da Assembleia da República a aprovação do voto de pesar

Marcos borga

O voto descreve o percurso político e cargos ocupados por Mário Soares antes e depois do 25 de Abril de 1974, destacando o seu “legado de coragem política, de patriotismo democrático e de abertura ao mundo”.

“Se hoje Portugal se distingue na Europa e no Mundo pelo seu grau de coesão nacional, muito o deve ao contributo liderante de Mário Soares. O sentimento de perda é assim acompanhado por um sentimento de gratidão eterna”, lê-se no texto.

Todos os grupos parlamentares dos partidos políticos usaram da palavra, conforme decisão da conferência de líderes extraordinária de 7 de janeiro, data da morte de Soares. Durante o evento, foram projetadas imagens do antigo chefe de Estado nas telas gigantes da sala de sessões da Assembleia da República.

O também antigo primeiro-ministro em três ocasiões morreu aos 92 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, e o Governo decretou três dias de luto nacional, até etsa quarta-feira. As cerimónias fúnebres, que se iniciaram na segunda-feira, terminaram na terça-feira com o funeral no cemitério dos Prazeres, em Lisboa.