Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Presidente de Angola diz que perda de Mário Soares “abre um vazio difícil de preencher”

STEPHANE DE SAKUTIN / AFP / Getty Images

José Eduardo dos Santos enviou uma carta ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, através do seu represnetante, o presidente da Assembleia Nacional de Angola, Fernando da Piedade Dias dos Santos, que está em Portugal para partiicpar nas cerimónias fúnebres

O Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, recordou o antigo chefe de Estado Mário Soares como uma "referência incontornável" da luta pela democracia em Portugal e considerou que a sua morte "abre um vazio difícil de preencher".

José Eduardo dos Santos transmitiu "as mais sentidas condolências por essa perda" numa carta que foi entregue esta segunda-feira ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, pelo presidente da Assembleia Nacional de Angola, Fernando da Piedade Dias dos Santos.

Na carta, a que a agência Lusa teve acesso, o Presidente de Angola afirma que tomou conhecimento da morte de Mário Soares "com profunda consternação" e recorda-o como "figura cimeira da história recente de Portugal e uma referência incontornável na luta pela instauração e consolidação da democracia na pátria de Camões".

José Eduardo dos Santos refere que Mário Soares foi fundador do PS, com "uma vida dedicada inteiramente à defesa dos seus ideais", e "marcou de forma decisiva, como primeiro-ministro e Presidente da República, a vida política portuguesa na segunda metade do século XX".

"Mesmo desligado nos últimos anos da política ativa, o Dr. Mário Soares nunca deixou de intervir de forma apaixonada na discussão dos assuntos mais prementes da atualidade portuguesa e mundial. Em meu nome pessoal e em nome do Governo e do povo angolano gostaria de exprimir a vossa excelência as mais sentidas condolências por essa perda, que abre um vazio difícil de preencher", acrescenta.

José Eduardo dos Sanros não estará presente nas cerimónias fúnebres, mas está representado por Fernando da Piedade Dias dos Santos, que representa ainda o Estado angolano.