Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Eanes: “Mário Soares tem direito ao reconhecimento da Pátria”

Ramalho Eanes foi sucedido na Presidência da República por Mário Soares

Raúl Nascimento

Numa curta intervenção, o ex-Presidente da República António Ramalho Eanes enalteceu o papel de Mário Soares no combate contra a ditadura salazarista e a forma como lutou pela consolidação da Democracia

O primeiro Presidente eleito da Democracia portuguesa foi o último dos três ex-Chefes de Estado a pronunciar-se sobre a morte de Mário Soares, um homem que pela sua vida de luta e combate “tem direito ao reconhecimento da Pátria”.

Com esta frase singela, o general Eanes fez a melhor e a maior homenagem que um ex-PR vindo da carreira militar poderia fazer ao homem que lhe sucedeu no cargo, e com quem nem sempre manteve a melhor das relações institucionais.

O primeiro Presidente eleito da Democracia Portuguesa louvou a “determinação, coragem e coerência” que caraterizaram a “ação política de Mário Soares”.

Eanes destacou o papel fundamental de Mário Soares – quando era primeiro-ministro – no “desenvolvimento da ação que nos permitiu entrar na [então] Comunidade Económica Europeia”.

“Um lugar de grande relevância na História”

“Pela ação de combate político determinado que desenvolveu em prol das liberdades e da democracia, primeiro, e depois da consolidação de uma democracia moderna, constitucional, pluralista, Mário Soares tem direito ao reconhecimento da pátria e tem direito a ocupar um lugar de grande relevância na história no nosso país”, afirmou Ramalho Eanes, numa curta declaração aos jornalistas, a meio da tarde deste domingo, no seu gabinete de trabalho em Lisboa.

O homem que recusou a promoção a Marechal foi eleito pela primeira vez a 27 de junho de 1976, e teve o apoio do secretário-geral do Partido Socialista, Mário Soares. Durante o primeiro mandato de Ramalho Eanes, Soares foi primeiro-ministro dos I e II Governos Constitucionais, entre julho de 1976 e agosto de 1978, tendo havido inúmeros momentos de tensão entre estas duas figuras da hieraquia de Estado.

Em 1980, Mário Soares autossupendeu-se [temporariamente] do cargo de secretário-geral do PS por não apoiar a candidatura de Eanes a um segundo mandato. O PS apoiou Eanes e participou na campanha, Soares mudou de ideias a meio do processo. Eanes venceu as eleições de 7 de dezembro de 1980 com 56% e Soares. A relação entre os dois continuaria a ser tensa, nomeadamente quando Soares regressa à chefia do IX Governo em 1983.

Nos últimos anos houve uma descrispação entre os dois ex-Presidentes.

  • Ramalho Eanes faz declaração às 17h30 sobre a morte de Soares

    O ex-Presidente da República António Ramalho Eanes, faz uma declaração às 17h30 sobre a morte de Mário Soares. Dos três ex-PR que estão vivos é o único que ainda não falou. Jorge Sampaio e Cavaco Silva lamentaram a partida de Soares durante a tarde de sábado