Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa sobre Guilherme Pinto: “Nunca perdeu o humor e a galhardia”

TIAGO PETINGA/LUSA

Início do ano está a ser “duro”. No espaço de dois dias, Costa perdeu dois amigos, dois camaradas socialistas. Sobre Guilherme Pinto, recorda amizade desde os 18 anos

Helena Pereira

Helena Pereira

Editora de Política

O jantar que António Costa e Guilherme Pinto tinham combinado para dia 27 já não vai existir. O ex-autarca de Matosinhos morreu este domingo de manhã, um dia depois de Mário Soares, e António Costa relembra uma amizade de quase 40 anos. E a combinação que já não vai ter lugar.

“Tínhamos combinado jantar dia 27”, revelou aos jornalistas, visivelmente emocionado, recordando que eram amigos desde os 18 anos e que o ex-autarca enfrentou a doença sem perder o “humor e a galhardia”.

A última vez que estiveram juntos foi em casa de Guilherme Pinto, há poucos dias, quando este lhe comunicou que queria renunciar à Câmara de Matosinhos. Estava doente há dois anos. “Começava a não ter forças para Matosinhos”, explicou Costa, em Bangalore, Índia, revelando que o autarca “queria ficar associado à reabilitação do mercado onde os pais dele trabalharam e onde ele próprio também trabalhou”.

Nessa altura, Costa assinou com Guilherme Pinto a sua ficha para se refiliar no PS, partido de onde saiu, em 2013, em rutura com o então líder do PS, António José Seguro, que não queria apoiar a sua recandidatura. Pinto saiu do PS e avançou com uma candidatura independente, saindo vencedor. Agora, as pazes com o atual PS estavam feitas. Amigo de Costa, chegou a acordo para apoiar a deputada Luísa Salgueiro, voltando assim a haver reconciliação.

Questionado pelos jornalistas sobre este início do ano, em que morreu Mário Soares, primeiro, e Guilherme Pinto, no dia seguinte, Costa limitou-se a confirmar a pergunta. “Está a ser um ano difícil?”. “Sim”, respondeu.