Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Soares, uma vida (parte 6): nem só de vitórias se faz a vida dos vitoriosos

Dono de um percurso político invejável, Mário Soares teve de enfrentar algumas derrotas no longo trajeto que o consagrou como figura de proa do Portugal livre. A mais evidente terá sido o terceiro lugar nas eleições presidenciais quando, já com 80 anos, tentou um terceiro mandato em Belém. Antes disso, o Parlamento Europeu já havia rejeitado o político veterano na corrida à liderança da câmara dos eurodeputados

SIC Notícias

Nem só de vitórias se faz a vida dos vitoriosos. E não será menos verdade que a longevidade na política aumenta a probabilidade do desaire. Um dos mais notórios no percurso de Mário Soares terá sido a derrota na eleição para a presidência do Parlamento Europeu. Eleito em 1999 como cabeça-de-lista do PS para Bruxelas, Soares cumpriria um mandato de cinco anos como eurodeputado, tendo perdido para a francesa Nicole Fontaine a eleição para a presidência do Parlamento Europeu. A câmara preferiu a representante do Partido Popular Europeu, de quem Soares disse ter um discurso de "dona de casa".

A vida política do histórico socialista parecia suspensa depois de 2004, mas o velho leão voltaria a surgir, para muitos súbita e inesperadamente, um ano depois, quando é chamado por José Sócrates para defrontar Cavaco Silva nas eleições presidenciais. O PS, que descurara a candidatura de Manuel Alegre, via no senador socialista uma oportunidade plausível para derrotar o candidato da direita. Fragmentado o PS, da fragmentação colheu trunfos o social-democrata. Cavaco ganhou com mais de 50%, Alegre obteve pouco mais de 20% e Soares quedou-se pelos 14%: foi a sua maior derrota em seis décadas de vida política.

Sem desistência, longe da resignação, Mário Soares dedicou-se à Fundação com o seu nome, o seu espólio e um acervo histórico de diferentes proveniências, tornando-se numa referência absoluta na História contemporânea de aquém e de além-mar. Politicamente, o republicano, laico e socialista deu por diversas vezes mostras de inconformismo com o "establishment", traduzido em inúmeros artigos de opinião e intervenções públicas.

Polémico, ciente do seu próprio estatuto, observador incansável de Portugal e do mundo, Mário Soares construiu-se e edificou-se como símbolo nacional de resistência e liberdade. Mesmo sem consensos que a História não conseguiu validar, tantas vezes inimigos da singularidade de um perfil.

  • Soares, uma vida (parte 2): a consolidação do zoon politikon

    Mário Soares emergiu em pleno para o combate político ainda durante a sua juventude. Licenciado em Direito, o jovem Soares usou a sua formação académica em prol dos que lutavam contra o antigo regime. A luta valeu-lhe a perseguição política e uma vida feita de sobressaltos e exílio

  • Soares, uma vida (parte 3): as históricas 18h daquela quinta-feira

    Mário Soares foi o primeiro secretário-geral do Partido Socialista. Fundada em 1973, a nova força partidária viria a dar cartas no Portugal de antes e pós-25 de Abril. Um ano antes da Revolução dos Cravos, e sob a égide de Soares, o PS foi dos principais contestatários da visita que Marcello Caetano efetuou a Londres. O líder recém-eleito esteve entre os manifestantes que protestaram frente à embaixada de Portugal na capital britânica

  • Soares, uma vida (parte 4): o eufórico comboio da liberdade

    Por força das circunstâncias, Mário Soares assistiu fora de Portugal ao Movimento dos Capitães de Abril. Três dias depois da revolução, regressou ao país novo, envolto num banho de multidão que o acolheu vindo de Paris. Era o início de um longo e inédito protagonismo no Portugal democrático