Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Freitas do Amaral: “Claro que há muitas diferenças, mas muita coisa que nos une”

QUERIDOS INIMIGOS. Mário Soares derrotou Freitas do Amaral nas eleições presidenciais de 1986, a mais disputada da história da democracia portuguesa

Freitas do Amaral recordou Mário Soares como um amigo e “patriarca da democracia em Portugal”

Diogo Freitas do Amaral lamentou a morte do amigo Mário Soares. Ambos foram protagonistas das eleições presidenciais mais disputadas de sempre, em 1986, mas a amizade e os momentos de cumplicidade nunca foram colocados em causa devido às divergências políticas.

“Mário Soares foi o patriarca da democracia em Portugal, quer pelo que lutou por antes de 1974, quer pelo que lutou para a manter e consolidar após 1974”, disse Freitas do Amaral em declarações à RTP3. “Uma coisa são as lutas políticas, outra é a amizade”, acrescentou.

“Apesar de termos ser sido adversários vigorosos em 86, não deixamos de ser amigos, continuamos a ser amigos. É normal que tenha havido alguma agressividade. Os dois queríamos ser Presidente. Comigo, [Mário Soares] tinha uma capacidade de diálogo muito grande”, recordou Freitas do Amaral.

Mário Soares morreu este sábado às 15h28 no Hospital da Cruz Vermelha, onde estava internado há 25 dias.