Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Carvalho da Silva lembra o grande político e construtor da democracia

Tiago Petinga/Lusa

Ex-líder da CGTP destacou que Mário Soares "não era um homem do povo, mas tinha uma boa identificação com o povo", disse.

O ex-líder da CGTP, Manuel Carvalho da Silva, considerou que o antigo Presidente da República Mário Soares, que morreu este sábado à tarde, foi "um dos grandes políticos" de Portugal e um dos construtores da democracia do país.

"Cruzámo-nos e discutimos muita coisa, sobretudo nos últimos 25 anos, e considero que Mário Soares é um dos grandes políticos desde país, deste e do século passado. É uma figura relevante da nossa história, um dos grandes atores e construtores da nossa democracia", disse Carvalho da Silva.

O sociólogo considerou, ainda, que Mário Soares "foi sempre muito apegado às liberdades e à democracia, independentemente das suas origens económicas e sociais".

"Não era um homem do povo, mas tinha uma boa identificação com o povo", disse.

Na opinião de Carvalho da Silva, Soares foi "um político muito intuitivo, que esteve sempre presente nos momentos fundamentais do país", concretamente na luta contra o regime fascista, no 25 de Abril e na entrada de Portugal para a União Europeia.

"Nos últimos 20 anos, Mário Soares teve a perceção das dinâmicas sociais em curso e defendeu a necessidade de mudanças sociais significativas e bateu-se por isso contra a direita", afirmou.

Carvalho da Silva lembrou, também, o envolvimento do antigo Presidente em movimento de defesa da paz.

"Estive com ele, e com Freitas do Amaral e Lurdes Pintassilgo, na manifestação que ocorreu em Lisboa em 2003 contra a invasão do Iraque. Interviemos juntos na praça da Figueira e assisti ao envolvimento dele nesta causa", recordou à agência Lusa.

Mário Soares encontrava-se internado no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, desde o dia 13 de dezembro de 2016, e morreu este sábado, 7 de janeiro de 2017.