Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Marcelo feliz por políticos como Costa entenderem que educação é muito importante

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, à conversa com o fundador da Refood, Hunter Halden

TIAGO PETINGA/LUSA

O Presidente da República falou no jantar de Natal da Refood, uma instiruição de combate ao desperdício alimentar que ocorreu esta segunda-feira à noite e juntou centenas de pessoas carenciadas e dezenas de voluntários

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta segunda-feira que estava feliz por haver políticos, como o primeiro-ministro, que entendem que a educação é "muito importante" para o desenvolvimento do país.

"No meu discurso de posse, quando disse quais eram os grandes objetivos nacionais, coloquei - simultaneamente com a coesão, o combate à pobreza e injustiça - a educação como fundamental", declarou o chefe de Estado, à chegada a um jantar de cariz social em Lisboa.

Marcelo foi questionado sobre a mensagem de Natal do primeiro-ministro, António Costa, que considerou que o maior défice nacional é o do conhecimento e defendeu o combate à pobreza e à precariedade laboral em nome de uma "sociedade decente".

"Fico feliz quando os políticos entendem que a educação é muito importante em termos práticos, de atos concretos", vincou o chefe de Estado.

Depois, ao comentar a relação entre Belém e São Bento, advogou que o Presidente existe para "cumprir a Constituição", colaborando com o "parlamento, tribunais e órgãos de soberania". "É o dever Presidente", prosseguiu.

Na sua mensagem de Natal enquanto líder do Governo, António Costa optou por gravar a sua intervenção, não como habitualmente a partir da residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, mas sim num Jardim de Infância do Lumiar, em Lisboa.

"Quero assim sublinhar que - tal como no Natal - as crianças têm de estar todos os dias no centro das nossas preocupações e que a sua educação tem de ser a primeira das nossas prioridades, enquanto famílias e enquanto sociedade", justificou António Costa.

Na sua mensagem, o primeiro-ministro sustentou que o conhecimento "é a chave do futuro", razão pela qual o seu executivo fixou como "objetivo fundamental generalizar o ensino pré-escolar a todas as crianças a partir dos três anos de idade" e "lançar o programa Qualifica, dirigido especialmente à educação e formação dos adultos".

Marcelo em jantar da Re-food

O evento de cariz social a que o Presidente da República foi esta segunda-feira à noite em Lisboa, é uma iniciativa da Re-food, uma organização que luta contra o desperdício alimentar, uma causa com a qual Marcelo se identifica.

"Antes de ser Presidente, e por todos os meios, inclusive na televisão, falei da ideia desde que ela apareceu, já lá vão uns anos largos", sublinhou o chefe de Estado aos jornalistas, à chegada do jantar que junta centenas de pessoas carenciadas e dezenas de voluntários da Re-food.

O projeto Re-food (movimento para travar o desperdício alimentar) foi criado pelo norte-americano Hunter Halder, que em 2011 fundou em Lisboa a instituição, e esta segunda-feira esteve a apresentar o projeto e a dar mais explicações sobre o mesmo ao Presidente da República.

"É uma ideia magnífica, que ultrapassou vários problemas", vincou Marcelo Rebelo de Sousa, referindo-se a demoras na implementação do projeto por questões administrativas e burocráticas.

Além disso, assegurou que o "setor social" continuará na agenda dos seus próximos dias, com audiências com instituições particulares de solidariedade social (IPSS) e provedores de misericórdias, por exemplo.