Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Governo e parceiros sociais retomam discussão do salário mínimo

João Relvas/ Lusa

A última reunião de concertação social para discutir a atualização do salário mínimo nacional realizou-se a 24 de novembro e foi inconclusiva

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social convocou as confederações patronais e sindicais para uma reunião plenária da Comissão Permanente de Concertação Social, que se vai realizar ao final da tarde desta segunda-feira e que tem como ordem de trabalhos a apresentação do terceiro relatório de avaliação trimestral sobre a execução do acordo tripartido sobre o salário mínimo de 2016, e a continuação da discussão da atualização desta remuneração para o próximo ano.

O Governo comprometeu-se a aumentar o salário mínimo nacional de forma progressiva, de modo a que este atinja os 600 euros em 2019.

O salário mínimo foi fixado nos 530 euros este ano, devendo chegar aos 557 euros em 2017 e aos 580 euros em 2018, antes de chegar aos 600 euros em 2019.

As bancadas do PS, PSD e CDS-PP votaram na sexta-feira alinhadas contra o projeto de resolução do PCP que recomendava ao Governo o aumento do Salário Mínimo Nacional (SMN) para 600 euros em janeiro.

BE, PEV e o deputado único do PAN votaram a favor, ao lado, dos comunistas.

A proposta do PSD para atualização do SMN ligada ao “crescimento, competitividade e emprego” num “contexto alargado” de “combate às desigualdades e à pobreza que assegure e promova a paz social e o desenvolvimento”, sem valores ou datas definidas, foi também “chumbada”.

A iniciativa dos sociais-democratas só contou com o apoio dos democratas-cristãos e do deputado único do PAN. PS, BE, PCP e PEV votaram contra o documento do PSD.