Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PS.“Quem mais oposição à oposição faz é a própria oposição”

MARCOS BORGA

Carlos César acusa a oposição de estar “desorientada” entre “a invocação do diabo e a memória do presépio”

O presidente do PS, Carlos César, disse este sábado, na Póvoa de Varzim, que "a oposição está desorientada entre a invocação do diabo e a memória do presépio", considerando que "quem mais oposição à oposição faz é a própria oposição".

"Saudamos o arrependimento de Passos Coelho, depois de ter evocado o diabo e da sua premonição muito original sobre a vinda próxima dos três reis magos – Baltazar, Belchior e Gaspar. Eu cá, se fosse Passos Coelho, certificava-me se os reis magos eram mesmos esses, é que Baltazar pode ser Montenegro, Belchior pode ser Rangel e Gaspar pode ser Rui Rio, e nenhum deles o quer, nenhum deles quer Passos Coelho tranquilo nas palhinhas deitado", afirmou Carlos César.

Segundo o presidente do PS, que falava no XX Congresso Nacional da JS, a decorrer até domingo, na Póvoa de Varzim, "é preciso também dizer ao PSD e ao CDS que quem mais se deve preocupar com a oposição são justamente o PSD e o CDS, principalmente o PSD".

É, em seu entender, "uma oposição em queda na confiança dos portugueses, desorientada entre a invocação do diabo e a memória do presépio, uma oposição que hesita entre a submissão do PSD ao CDS e uma guerra de ajustes de contas entre ambos os partidos na candidatura à Câmara Municipal de Lisboa, como se das eleições autárquicas não interessassem apenas os interesses dos munícipes portugueses".

Carlos César disse que, "no próximo ano, a ambição do PS, pese embora as incertezas e imprevisibilidades, não deve ser menor do que a que teve até agora. É decisivo fazer prova de que é possível, com sucesso, uma política de responsabilidade social e de desenvolvimento económico associada a uma política de responsabilidade financeira e de boas contas públicas, defendendo condignamente os interesses dos portugueses".

"Tudo faremos, no limite das nossas competências e das nossas possibilidades, para que 2017 seja marcado por sucessos na estabilização do setor bancário, na atração do investimento externo reprodutivo, na mobilização dos fundos comunitários, na descida do desemprego e da precariedade laboral, na descentralização política, na criação de condições para um maior investimento na educação das crianças e dos jovens, melhorando o desempenho do ensino público, da ciência, da inovação e da cultura", acrescentou.

Carlos César disse, ainda, que "os portugueses sabem que o PS faz o seu caminho pensando em Portugal e nos portugueses. Continuará justamente no lado certo e, é bom dizê-lo, não nos preocupamos em fazer oposição à oposição, como diz o PSD".
O XX congresso da JS termina domingo com a participação do secretário-geral do PS, António Costa, e com a intervenção do novo secretário-geral da JS.