Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Parlamento aprova “repúdio” pelos bombardeamentos em Alepo, PCP votou contra

GHITH.BERAM/ EPA

Iniciativa partiu do Bloco de Esquerda, repudiando a violação de direitos humanos e os crimes contra as populações de Alepo pelas forças governamentais sírias

A Assembleia da República aprovou esta sexta-feira um voto de repúdio apresentado pelo Bloco de Esquerda (BE) contra os recentes bombardeamentos e crimes praticados na cidade síria de Alepo. Só o PCP votou contra.

O voto do Bloco de Esquerda, repudiando a violação de direitos humanos e os crimes contra as populações de Alepo pelas forças governamentais sírias, mereceu o apoio do PSD, PS, CDS-PP, "Os Verdes" e PAN (Pessoas-Animais-Natureza).

Na sequência desta votação, o PCP apresentou uma declaração de voto em que se salienta que este partido, "desde o primeiro momento, denunciou e condenou a guerra de agressão que se abateu sobre a República Árabe Síria e o povo sírio, com o seu cotejo de hediondos crimes, brutais violações dos direitos humanos, morte, sofrimento e destruição".

"A corajosa resistência da Síria e do seu povo exige não a vergonhosa associação ou a conveniência com as campanhas que visam branquear a agressão levada a cabo pelos Estados Unidos e seus aliados, mas a solidariedade de todos os que defendem os direitos do povo sírio e a paz", lê-se ainda na mesma declaração de voto do PCP.

Antes desta votação, mas por unanimidade, foi aprovado um voto apresentado pelo CDS-PP de condenação pelo atentado terrorista contra a comunidade cristã copta do Cairo, no Egipto.

  • Amor e morte: Alepo

    Esta imagem foi tirada a 4 de dezembro. Ainda havia guerra. Este texto é publicado a 14 de dezembro. Foi escrito que a guerra havia cessado. Mas não cessou. “Toda a gente vai ser morta.” Alepo, cidade trágica

  • Asma Assad no país das maravilhas

    O cosmopolitismo da primeira-dama síria fez dela a relações públicas perfeita de um dos países mais fechados do mundo. Mas as extravagâncias privadas e a forma como se alheou da repressão ordenada pelo marido tornam-na uma vilã. Na altura em que a tragédia de Alepo volta a colocar a Síria em primeiro plano, reproduzimos o artigo sobre a mulher do Presidente Bashar al-Assad publicado originalmente na Revista de 24 de março de 2012