Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PSD diz que resultados do PISA são “sapo de realidade” para esquerda engolir

"Os catastrofistas, os velhos do Restelo, os fanáticos que andaram a encher a boca acusando o PSD de estar a destruir a escola pública, vão ter de engolir mais um sapo, um sapo de realidade", afirmou Luís Montenegro

O líder parlamentar do PSD defendeu hoje que os dados do PISA são "um sapo de realidade" que a maioria de esquerda vai ter de engolir, mostrando que o anterior Governo acrescentou "qualidade e equidade à escola pública".

"As reformas empreendidas entre 2011 e 2015 acrescentaram qualidade e equidade à escola pública. Os catastrofistas, os velhos do Restelo, os fanáticos que andaram a encher a boca acusando o PSD de estar a destruir a escola pública, vão ter de engolir mais um sapo, um sapo de realidade", afirmou Luís Montenegro, numa declaração política na Assembleia da República.

PS, BE e PCP responderam que os bons resultados que o programa de avaliação da educação PISA revelou aconteceram por mérito da comunidade educativa, não devido às políticas do anterior Governo PSD/CDS-PP, mas apesar deste.

O PISA, na sigla em inglês, é um Programa Internacional de Avaliação de Alunos, em que Portugal participa desde 2000 e que se dirige a estudantes de 15 anos, entre o 7.º e o 12.º ano.

"Os resultados não mentem, e nenhuma azia, mesmo que ideológica, os pode desmentir", afirmou Montenegro.

O líder da bancada social-democrata salientou que os alunos do 4.º ano tiveram "melhor desempenho a matemática do que a Finlândia e a Holanda" e os resultados acima da medida da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) em ciências, matemática e leitura em alunos de 15 anos de idade.

Reconhecendo o mérito de toda a comunidade educativa mas sublinhando as "políticas estruturais" do anterior Governo, Montenegro pediu à maioria de esquerda: "Ponham a mão na consciência".

"Não voltem a dizer que o PSD quer ou quis destruir a escola pública, isso já não é só demagogia, é desonestidade intelectual", acusou.