Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Santana diz que não vai ser fácil para Guterres mudar a ONU

No habitual comentário semanal na SIC Notícias, António Vitorino e Santana Lopes sublinharam as dificuldades que António Guterres terá de enfrentar à frente das Nações Unidas, como a redução de financiamento por parte dos EUA

Na visão de Pedro Santana Lopes, António Guterres não terá uma tarefa fácil na mudança que prometeu para a ONU durante o seu discurso quando prestou esta segunda-feira juramento como novo secretário-geral das Nações Unidas.O social-democrata afirmou, na noite desta terça-feira, que a ONU "tem muita resistência a mudanças".

Não obstante, Santana Lopes sublinhou ainda que Guterres "entrou com muita legitimidade e tem algum crédito", logo os líderes das grandes potências "vão ter de lhe prestar atenção". Também António Vitorino partilha da mesma opinião, reforçando a ideia de que "a resistência da máquina vai ser menos vísivel" com o português no poder.

Guterres "foi claro e frontal" no seu discurso, comenta Santana Lopes. "Quis marcar logo a entrada no lago de crocodilos no qual vai entrar. Tem um nível muito grande de respeito e é uma esperança para o mundo", reconheceu o social-democrata. Vitorino refere que "o discurso é autêntico e de convicções", mostrando que teve cuidado ao falar de certos assuntos controversos – como os Direitos Humanos, as alterações climáticas, os refugiados e a prevenção de conflitos – mas que ainda assim conseguiu ser "acertivo".

Em relação à proposta de Rui Rio, de criação de um novo imposto para o pagamento da dívida pública, Santana reconhece a "originalidade no pensamento de Rui Rio", mas explica que baixar outros impostos para aumentar neste leva a carga fiscal a manter-se igual.

"Se houver um imposto para pagar a dívida é para as pessoas se aperceberem do que estão a pagar", comenta Vitorino que acrescenta que este imposto não seria "transitório, mas sim definitivo", devido ao elevado valor dos juros da dívida. Na ótica de Santana Lopes, as pessoas têm "pouca perceção" do destino dos impostos que pagam.