Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Silva Ribeiro será chefe de Estado-Maior das Forças Armadas em 2018

Vice-almirante Silva Ribeiro tomará posse sábado como chefe do Estado-Maior da Armada e em março de 2018 passará a comandar os três ramos das Forças Armadas. O Ministério da Defesa confirmou ao Expresso que irá respeitar a regra da rotatividade

Carlos Abreu

Jornalista

D.R.

O vice-almirante Silva Ribeiro tomará posse este sábado como chefe do Estado-Maior da Armada e em 2018, ano em que o atual chefe, general Pina Monteiro (Exército) atinge a idade limite para a reforma (66 anos), assumirá o comando do Estado-Maior General das Forças Armadas. Assim será retomado o princípio da rotatividade interrompido em 2014.

O Presidente da República deverá dar posse ao atual diretor-geral da Autoridade Marítima no sábado, ao final da manhã, em Belém.

Oficialmente, o nome de Silva Ribeiro foi discutido esta quarta-feira no Conselho de Ministros, tendo o Governo decidido “propor ao Presidente da República a nomeação do vice-almirante António Manuel Fernandes da Silva Ribeiro para o cargo de Chefe do Estado-Maior da Armada, com efeitos a partir do termo do mandato do atual Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante Luís Manuel Fourneaux Macieira Fragoso”, pode ler-se no comunicado enviado às redações.

Tal como o Expresso noticiou a 26 de novembro e o Ministério da Defesa confirmou esta quarta-feira, o general Pina Monteiro será reconduzido na chefia das Forças Armadas em fevereiro do próximo ano, mas não cumprirá o segundo mandato de dois anos até ao final, por atingir o limite de idade para a reforma que em 2018 será de 66 anos e três meses. Até lá, o vice-almirante Silva Ribeiro chefiará a Armada.

A 22 de novembro, o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, comunicou ao ainda chefe do Estado-Maior da Armada o seu afastamento do cargo que exercia desde 9 dezembro de 2013. Ao não ser reconduzido, o almirante Macieira Fragoso fica definitivamente impedido de alcançar a chefia do Estado-Maior das Forças Armadas. Se em fevereiro de 2014 tivesse sido respeitado o princípio da rotatividade das chefias dos três ramos (Marinha, Exército, Força Aérea) no comando do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Macieira Fragoso deveria ser sido nomeado para o cargo em vez do general Pina Monteiro.