Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

CDS pede documentos que provem acusação de Costa sobre “maquilhagem de contas” na CGD

Deputado do CDS fala em “acusação grave” e pede documentos que a provem na Comissão de Inquérito que está a decorrer

O grupo parlamentar do CDS pediu esta tarde ao Governo que seja disponibilizada à Comissão Parlamentar de Inquérito ao processo que conduziu à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) a documentação que sustentou a acusação feita esta terça-feira pelo primeiro-ministro, em entrevista à RTP, sobre a existência de "maquilhagem" nas contas do banco público para permitir a "saída limpa" de Portugal do programa de assistência económica e financeira, em 2015.

O pedido foi feito pelo deputado António Carlos Monteiro no início da reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito, que esta tarde se reúne para ouvir o ex-ministro das Finanças Guilherme de Oliveira Martins. Na origem do pedido do CDS está a interpretação de que as palavras de António Costa representaram "uma acusação grave.

"O CDS requer que sejam disponibilizados os documentos e indícios referentes a esta acusação, que permitam fazer uma ligação entre a Caixa Geral de Depósitos e a saída limpa", pediu.

"Esta é uma acusação gravíssima à anterior administração da CGD, ao anterior Governo, às instituições de supervisão, nacionais e europeias, aos auditores externos e revisores oficiais de contas – de conluio para a falsificação dos resultados financeiros da CGD", sustenta o CDS.

  • Primeiro-ministro admite “episódios infelizes” na CGD

    Numa entrevista marcada pelos temas económicos, António Costa não quis adiantar nada de novo sobre a Caixa Geral de Depósitos, mas admitiu “episódios infelizes”. Expressou vontade de ter o quadro financeiro resolvido até ao final do ano e anunciou 2017 como o ano da resolução do problema dos precários. Quanto à dívida, a resolução terá que esperar pelas eleições alemãs